Marcelo Malaquias/EC Bahia
Marcelo Malaquias/EC Bahia

Bahia derrota a Ponte Preta, confirma reação e se distancia da zona da degola

Equipe baiana soma 42 pontos e sobe três posições; time paulista continua na zona da degola

Estadão Conteúdo

05 Novembro 2017 | 20h22

O Bahia confirmou a sua campanha de recuperação no Campeonato Brasileiro ao vencer a Ponte Preta por 2 a 0, neste domingo, na Arena Fonte Nova, em Salvador, pela 32.ª rodada. Com apenas uma derrota nos últimos 10 jogos, com quatro empates e cinco vitórias, o time baiano ganhou fôlego e se distanciou da zona do rebaixamento, agora com 42 pontos.

+ TEMPO REAL - Confira os lances da partida

+ Confira a tabela do Campeonato Brasileiro

+ Corinthians faz 3 a 2 no Palmeiras, volta a vencer e abre vantagem na liderança

+ Com dedo de Renato Gaúcho, Grêmio vira jogo e liga sinal de alerta no Flamengo

+ Cruzeiro bate Atlético-PR, encerra jejum e segue entre os primeiros no Brasileiro

Pela terceira rodada seguida, a Ponte Preta continua na zona do rebaixamento com 35 pontos, em 17.º lugar. Nas últimas seis rodadas, acumula quatro derrotas. Além disso, é o time de pior campanha como visitante, com oito pontos conquistados em 48 disputados. O aproveitamento é de apenas 16,7%.

O time de Campinas (SP) entrou em campo com vários desfalques e bem diferente da escalação que tinha vencido o líder Corinthians por 1 a 0, na última rodada. O Bahia vinha confiante, após ganhar o clássico contra o Vitória por 2 a 1 e empatar fora, por 1 a 1, com o Fluminense.

Mesmo escalando apenas um volante (Renê Júnior) e quatro meias, o Bahia teve muita calma no começo do jogo para atacar. Esperou a Ponte Preta se mostrar dentro de campo para depois buscar o gol. Tanto que o começo do jogo foi equilibrado, sem nenhuma chance para ambos os lados.

Aos poucos, porém, o Bahia ganhou volume e abriu o placar aos 26 minutos. Allione pegou a bola na intermediária e fez o passe perfeito para Mendonza, que só ajeitou de leve na perna esquerda e bateu rasteiro entre as pernas do goleiro Aranha, que saia do gol desesperado. Dois minutos depois, os baianos quase ampliaram. Desta vez, o colombiano foi o garçom ao lançar Edigar Junio dentro da área. Ele bateu cruzado, mas para fora.

O time paulista apenas criou uma chance real aos 45 minutos. Nino Paraíba arrancou pelo lado direito até a linha de fundo e levantou para o outro lado. Claudinho bateu de chapa, de primeira, mas para fora.

Na volta do intervalo, a Ponte Preta apresentou duas novidades. Léo Artur entrou no lugar de Jadson e o garoto John Kleber, de apenas 17 anos, na vaga de Maranhão. Mas a promessa campineira machucou aos 10 minutos ao pisar no pé do goleiro Jean e torcer o tornozelo. Em seu lugar entrou o lateral Emerson, que passou a atuar como fosse um falso ponta direita.

O Bahia também perdeu o zagueiro Lucas Fonseca, machucado, para a entrada de Thiago Martins. Depois o técnico Paulo César Carpegiani tirou Allione para a entrada de Régis, que está voltando de contusão e precisa ganhar ritmo de jogo.

Mesmo desfalcada e até desfigurada, a Ponte Preta foi um time valente, mas não chegou a ameaçar na frente. O Bahia teve mais posse de bola e ainda valorizou o último passe, também não levando perigo para o atento goleiro Aranha, que só pegou bolas chutadas de longe.

Nos últimos minutos, a Ponte Preta ainda tentou imprimir uma pressão. Mas abriu espaços na defesa, facilitando os contra-ataques do Bahia. Em um deles, o Bahia liquidou a fatura aos 48 minutos. Zé Rafael levantou a bola na área, Mendonza ajeitou de cabeça e Edigar Junio bateu de voleio, em uma bela jogada.

Nesta quarta-feira, pela 33.ª rodada, o Bahia enfrenta o Avaí, às 19h30, em Florianópolis, enquanto que a Ponte Preta recebe o Grêmio, em Campinas.

FICHA TÉCNICA

BAHIA 2 x 0 PONTE PRETA

BAHIA - Jean; Eduardo, Tiago, Lucas Fonseca (Thiago Martins) e Juninho Capixaba; Renê Júnior, Zé Rafael, Vinícius (Juninho) e Allione (Régis); Mendoza e Edigar Junio. Técnico: Paulo César Carpegiani.

PONTE PRETA - Aranha; Nino Paraíba, Yago, Rodrigo e Jeferson; Fernando Bob, Elton e Jadson (Léo Artur); Claudinho, Lucca e Maranhão (John Kleber e Emerson). Técnico: Eduardo Baptista.

GOLS - Mendoza, aos 26 minutos do primeiro tempo; Edigar Junio, aos 48 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Edigar Junio (Bahia); Nino Paraíba e Yago (Ponte Preta).

ÁRBITRO - Wagner do Nascimento Magalhães (Fifa/RJ).

RENDA - R$ 492.033,50.

PÚBLICO - 20.539 pagantes (20.784 no total).

LOCAL - Arena Fonte Nova, em Salvador (BA).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.