Raul Spinassé/Agência A Tarde
Raul Spinassé/Agência A Tarde

Bandeira do Bahia tremula em 2 lugares diferentes no mesmo dia

Time entra em campo em diferentes torneios, relembrando o que aconteceu com São Paulo e Grêmio nos anos 90

CLEUSA DUARDE/ ESPECIAL PARA O ESTADO, EM SALVADOR, O ESTADO DE S.PAULO

11 de março de 2016 | 07h00

No futebol brasileiro repleto de emoções e contradições, o Bahia enfrentou dois adversários em dois campeonatos diferentes no mesmo dia. Quarta-feira, em Salvador, na Arena Fonte Nova, o time comandado pelo técnico Doriva goleou por 4 a 0, o Galícia, time cujo os jogadores fizeram uma “vaquinha” para alugar um ônibus e seguir para a partida do Campeonato Baiano. Já em Petrolina, desta vez pelo Nordestão, o mesmo Bahia fez tremular sua bandeira no mesmo dia, mas com elenco do Sub-20, para derrotar o Juazeirense por 2 a 1. Com isso, o tricolor garantiu cem por cento (100%) de aproveitamento e continua tranquilo nas duas competições, mesmo castigado pelo calendário.

O fato ocorrido com o Bahia não é inédito no futebol brasileiro. Em 11 de dezembro de 1994, o Grêmio disputou três partidas pelo Campeonato Gaúcho. Ao todo, os gaúchos usaram 42 jogadores para conquistar duas vitórias (contra Brasil de Pelotas e Santa Cruz) e um empate (com o Aimoré) no Olímpico. Naquele mesmo ano, só que um mês antes, em 11 de novembro, o São Paulo também disputou dois jogos na mesma data: bateu o Sporting Cristal pela Conmebol e o Grêmio pelo Campeonato Brasileiro. Juninho Paulista entrou em campo nas duas partidas.

O fato inusitado com o Bahia ocorreu por causa de um amistoso internacional, quando a direção do clube pediu licença para a Federação Bahiana de Futebol (FBF) para enfrentar o Orlando City, nos Estados Unidos, 27 de fevereiro, data programada para o jogo contra o Galícia, pelo Campeonato Baiano. Era dinheiro na mesa. De acordo com o técnico Doriva “o importante foi ter conquistado um rendimento de cem por cento. Saí correndo da Arena Fonte Nova para assistir os meninos do Aroldo Moreira. Fazemos coletivos contra eles e sei da capacidade dos meninos e do técnico. As vezes, temos dificuldades de enfrenta-los”, ressaltou. Isso ajudou o treinador a comandar as duas equipes. Não houve cobrança dos dirigentes para ganhar dos jogos. 

Os torcedores comemoraram a façanha, mas não gostaram muito da ideia. De acordo com Emanuel do Prado Vieira, de 51 anos, administrador de empresas, fundador da associação Bahia livre “foi um alívio ter vencido as duas partidas. Mas um risco cometido pela direção do clube, que por conta de um amistoso vexatório, porque o Bahia foi goleado lá fora, poderia ter se dado mal nos campeonatos e machucado jogadores”.

Emanuel conta que assistiu ao jogo da Arena Fonte Nova pela Internet e ouviu pelo rádio e com amigos em uma bar, mas foi correndo para casa ver a meninada Sub 20, pela televisão. "A gente sabe que o Bahia se deu bem e goleou, mas também sabemos que isso é uma desorganização total. O Bahia foi liberado para um amistoso e por causa de datas teve de entrar em campo duas vezes por dois campeonato diferentes. Falta de planejamento total".

Além disso, o torecdor dispara contra a estrutura do campeonato. "Veja bem, os jogadores do Galícia tiveram de tirar dinheiro do próprio bolso para alugar um ônibus e enfrentar o Bahia. Quase o Bahia vence por W.O". Emanuel ainda brinca com os torcedores do Vitória. "De qualquer modo, estou aliviado pelo time ter vencido as duas partidas. Mas foi uma operação de risco."

TORCEDOR

Para o síndico profissional Paulo Calmon Oliveira, de 49 anos, a Arena Fonte Nova estava diferente. Como era semana do dia Internacional da Mulher, teve promoção e elas comandaram a torcida. Foi um fato inusitado as duas partidas. "Sai correndo da Arena e fui para casa, afinal, o outro Bahia estava em campo." Paulo também reforça que foi um risco e reclama da falta de planejamento do futebol. "Poderia ter acontecido um acidente. Se os meninos do Sub-20 perdessem, ficariam marcados. O importante, entretanto, é que o Bahia é líder no Baiano e faz bonito no Nordestão."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.