Baiano faz acusações contra Estevam

Nada fraternal o Natal entre Estevam Soares e Baiano. O lateral decidiu acabar com a tranqüilidade que estava dominando o Palmeiras. Como ele sabe que não terá o seu contrato renovado, decidiu atirar no treinador. No Guarujá, onde passa férias, Baiano fez sérias acusações. "Ele não falava com os jogadores. Quando tinha de cobrar de alguém, ele falava com o empresário do atleta. Mandava avisos do tipo: ?Ou ele corre ou vai sair do time?. Ninguém gosta disso. E outra coisa que o Estevam não assumiu foi o fato que foi ele quem deu férias aos jogadores durante o Brasileiro. Foi ele", acusou o lateral.Estevam assumiu que fez o papel de vilão mesmo. Mas disse não ter sido em tom de chantagem como Baiano quis mostrar. "Tinha de falar com quem era próximo dos jogadores. Conhecia alguns empresários, não havia nada de mal em falar para os seus atletas se aplicarem mais. Em relação às férias eu sempre assumi que decidi junto com a diretoria quem iria sair durante o Brasileiro", defendeu-se o técnico.O treinador do Palmeiras disse, em entrevista à Rádio Bandeirantes, saber o porque que Baiano decidiu atacá-lo. "Ele sabe que seu contrato não será renovado. Ele ganha muito para um lateral-direito (R$ 80 mil mensais). Quem tem de receber bem é meia ofensivo, um atacante", ironizou.Estevam revelou que esteve reunido com os dirigentes do clube escolhendo os jogadores que pretende contar. Se de Baiano ele não quer ver nem a sombra, o técnico implorou para que o Palmeiras não deixe Nen voltar ao Gama. "Preciso dele na campanha de 2005. Além de ótimo zagueiro, ele se mostrou um grande líder no elenco. Os dirigentes já procuraram o Gama, mas não está nada fácil a transação. Mas vamos insistir."Em Brasília, Nen assegura que está fazendo a sua parte. Tenta convencer os dirigentes do Gama a baixar a pedida de R$ 2 milhões. "Eu quero ficar no Palmeiras. Não depende de mim, mas eu já deixei bem claro que desejo continuar em São Paulo", avisou o zagueiro.Mais dois sonhos de Estevam Soares: o atacante Obina e o lateral Paulo Baier. "O problema está nas negociações. É sempre difícil fechar qualquer transação com o Vitória. O preço do Obina é muito alto porque os contatos do time baiano com o exterior são muitos. E em relação ao Paulo Baier, o que dói é que ele foi oferecido ao Palmeiras no passado. O Jair Picerni não quis (preferiu Baiano). Agora vamos ver o que conseguimos fazer com o Goiás", contou o treinador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.