Baiano volta a ocupar seu espaço

Baiano foi, ficou seis meses no Boca Juniors, deixou um buraco na lateral direita do Palmeiras, e neste domingo voltou para tapá-lo. Em sua reestréia, confessando certo frio na barriga antes do jogo, teve grande atuação e foi um dos poucos a levantar a torcida até no primeiro tempo, quando acertou o travessão num chute quase do meio-campo. Logo no primeiro lance, Baiano fez falta dura no meio-campo e trouxe más lembranças da torcida. Nas duas primeiras descidas ao ataque, porém, acertou chute perigoso e, em seguida, bom cruzamento quase aproveitado por Nen. Sem Lúcio do outro lado, o Palmeiras, que vinha jogando muito mais pela esquerda, passou a atuar também pela direita. Alternando lances de perigo no ataque e chegadas duras e muita disposição na defesa, Baiano foi o mesmo de sempre, do um ano e meio que foi titular da camisa 2. Quando voltou da passagem pela Argentina, disse ter virado mais disciplinado: "Levei só três cartões amarelos em seis meses lá." Domingo, porém, já levou o primeiro, logo na primeira etapa. A torcida, que muito o vaiou no fim do ano passado, não parecia ter saudades, mas agora terá de reconhecer que Baiano, domingo, resolveu o problema que André Cunha e Bruno, contratados em janeiro, não conseguiram resolver. No segundo tempo, Baiano foi ainda mais decisivo. Logo no início, cobrou falta com perigo e trouxe a torcida para o lado do time. Depois, sofreu a falta que resultou no gol de empate de Pedrinho e deu o cruzamento para o quarto gol, o terceiro de Marcinho. Pouco antes do final, Baiano sentiu uma contusão e deixou o gramado do Palestra Itália na maca, substituído pelo volante Reinaldo. Sua volta,com virada, vitória e grande atuação, não podia ter sido melhor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.