Matteo Bazzi/EFE
Matteo Bazzi/EFE

Balotelli volta ao Milan pensando na Eurocopa pela seleção italiana

Atacante espera realizar o desejo do seu falecido pai adotivo

Estadão Conteúdo

27 de agosto de 2015 | 11h17

De volta ao Milan após uma temporada decepcionante no Liverpool, Mario Balotelli espera realizar um desejo do seu falecido pai adotivo: jogar novamente pela Itália na Eurocopa do próximo ano, na França. Foi o que revelou o atacante nesta quinta-feira, quando teve o seu empréstimo de um ano oficializado.

"Eu quero ir bem no Milan para recuperar a camisa da seleção nacional", disse Balotelli "Eu só tenho que trabalhar agora. Um passo de cada vez. E se eu colocar tudo junto, talvez vá para a França. Eu quero jogar a Eurocopa e vou fazer tudo que posso para isso", acrescentou. "Me ver com a camisa da seleção foi um dos desejos do meu pai antes de morrer. Eu devo isso a ele", concluiu o atacante, que perdeu Francesco Balotelli no último mês.

Balotelli perdeu espaço na seleção da Itália com o técnico Antonio Conte em razão da sua péssima fase, com apenas um gol marcado no último Campeonato Inglês pelo Liverpool, que o adquiriu junto ao Milan por 16 milhões de libras (aproximadamente R$ 88 milhões).

Seu desempenho esteve bem longe do demonstrado na Eurocopa de 2012, quando levou a seleção italiana para a decisão ao marcar os gols da equipe na vitória por 2 a 1 sobre a Alemanha pelas semifinais. O atacante não atuou pela Itália desde a eliminação na fase de grupos da Copa do Mundo de 2014.

Na sua primeira passagem pelo Milan, Balotelli marcou 30 gols em 54 partidas. "Eu me sinto como alguém que acabou de deixar de lado a primeira metade de sua carreira, jogou e viveu como uma criança. Mas o jogo ainda não acabou", disse Balotelli ao jornal esportivo italiano Gazzetta dello Sport, em declarações reproduzidas no site oficial do Milan. "Agora estou indo jogar e viver como um homem. Eu sei que muitas pessoas não acreditam no meu retorno. Mas é meu dever tentar e estou certo que vou fazê-lo", acrescentou.

Em razão das várias polêmicas que Balotelli se envolveu, o Milan teria incluído cláusulas no contrato exigindo bom comportamento, para não prejudicar a imagem do clube, além de proibi-lo de fumar e consumir bebidas alcoólicas em excesso. "Eu sei que não posso cometer mais erros. Eu vou aceitar qualquer regra. Eu não me esqueci como jogar futebol. Tenho 25 anos e não sou mais um bebê", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.