Barbarense diz que ainda está viva

Apesar do situação dramática que se abateu sobre o União Barbarense, o técnico Roberval Davino fez questão de ressaltar que o time ainda está vivo no Campeonato Paulista da Série A-1.Com a derrota para o rival Rio Branco, domingo, ficou praticamente impossível de se fugir do rebaixamento. Com 12 pontos ganhos em 12 jogos disputados, o time de Santa Bárbara d´Oeste só é melhor que a lanterna Matonense, superando-a em um ponto.Para complicar ainda mais, os três últimos jogos da fase de classificação são contra equipes que brigam diretamente pelas vagas à semifinal: São Paulo, em Santa Bárbara; Ponte Preta e São Caetano, fora de casa.Além do milagre, o União Barbarense ainda tem de torcer por novos tropeços de Guarani e Internacional de Limeira, que estão com 14 pontos e também correm risco de cair. "Tivemos três chances de empatar, mas não aproveitamos. Foi aí que o time entrou no desespero e ficou tudo mais difícil. O momento requer tranqüilidade e naturalidade. Se não trabalharmos com naturalidade, com inteligência, os erros vão aparecer", disse.Tranqüilidade, porém, é um fator que não parece fazer parte do cotidiano dos jogadores atualmente, ainda mais depois de outro insucesso. Ao final do clássico, o volante Agnaldo Xavier deixou o banco de reservas e foi reclamar com a juíza Silvia Regina de Oliveira. "Fui reclamar mesmo porque não foi falta em cima do Leandro e o lance acabou terminando no gol deles (referindo-se ao Rio Branco). Falei que ela era fraca e que tinha que ficar em casa lavando roupa", disparou o volante.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.