Gilvan de Souza / Flamengo
Gilvan de Souza / Flamengo

Barbieri lamenta empate, mas exibe confiança em avanço do Fla na Libertadores

Treinador interino lamenta Maracanã com portões fechados na primeira fase do torneio continental

Estadão Conteúdo

19 de abril de 2018 | 09h30

Inevitavelmente prejudicado pelo fato de que jogou pela segunda vez nesta Libertadores sem poder contar com o apoio de sua torcida em uma partida em casa, o Flamengo não conseguiu passar de um empate por 1 a 1 com o Independiente Santa Fe, da Colômbia, na noite desta quarta-feira, em um Maracanã totalmente vazio, pela terceira rodada do Grupo D da competição continental.

+ Andrés diz que Flamengo tentou tirar Carille e Rodriguinho do Corinthians

+ Mesmo obrigados, clubes da Série A ignoram futebol feminino

Atuando nestas mesmas condições em sua estreia, contra o River Plate, no Engenhão, por causa da punição aplicada pela Conmebol ao clube em função dos atos de violência de seus torcedores na partida de volta da final da Copa Sul-Americana do ano passado, o time flamenguista também empatou por 1 a 1.

Apesar dos dois empates em casa, a equipe superou o Emelec por 2 a 1, no Equador, e o técnico Maurício Barbieri exibiu confiança na classificação do time rubro-negro às oitavas de final da Libertadores, na qual a equipe voltará a jogar no próximo dia 25, novamente contra o Santa Fe, em Bogotá, na abertura do returno do Grupo D.

"Foi um resultado aquém do que esperávamos, mas temos totais condições de buscar os pontos que perdemos fora de casa. Agora é pensar em ir para a Colômbia semana que vem e fazer diferente", afirmou o treinador, em entrevista coletiva, na qual lamentou a queda de rendimento apresentada pela sua equipe no segundo tempo da partida.

"Começamos bem o jogo e tínhamos domínio, mas tomamos o gol após um erro. Tentamos acertar tudo no vestiário, mas eles voltaram ainda mais fechados para a etapa final. Não criamos como gostaríamos e não conseguimos fazer os gols, isso não é o que esperávamos. No primeiro tempo ainda conseguimos encontrar mais espaços, mas depois não mais", reforçou.

Já ao comentar o fato de que o time realizou o seu segundo jogo seguido como mandante com portões fechados nesta Libertadores, o comandante lamentou o peso que a punição teve para a equipe, que espera poder contar com o apoio maciço de sua torcida.

"É um ambiente diferente, você não tem o torcedor te empurrando. É uma motivação extra. Outras coisas na partida contribuíram para que não saíssemos com o resultado que gostaríamos. Já sabíamos que enfrentaríamos isso. Conversamos antes do jogo no vestiário e, pela ausência deles (torcedores), teríamos que estar mais atentos e cientes que não poderíamos contar com esse apoio", disse Barbieri, que agora vai preparar o Flamengo para enfrentar o América-MG, neste sábado, às 19 horas, no Maracanã, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro.

"No sábado será o pensamento de sempre, queremos vitória. Vamos ver as condições que os atletas se reapresentam amanhã (esta quinta-feira) para definirmos quem vai ao jogo", disse o treinador, que deverá poupar alguns titulares visando o confronto diante do Santa Fe na próxima semana.

O Grupo D da Libertadores é liderado hoje justamente pelos flamenguistas, com cinco pontos, enquanto o Santa Fe tem três na segunda posição. Nesta quinta-feira, no complemento da terceira rodada da chave, o River Plate terá a chance de chegar também aos cinco pontos em caso de vitória sobre o Emelec, no Equador, em duelo marcado para começar às 21h30 (de Brasília).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.