EFE
EFE

Barça diz que anunciará novo treinador semana que vem

Decisão de tirar Vilanova foi tomada em comum acordo com o treinador

AE, Agência Estado

19 de julho de 2013 | 16h08

BARCELONA - O clima de tristeza na sala de imprensa do Barcelona era nítido nesta sexta-feira. Mesmo antes do anúncio do presidente Sandro Rosell, todos sabiam que a notícia era péssima: após nova recaída no câncer da glândula parótida, o técnico Tito Vilanova não poderia seguir no comando da equipe.

Até pela surpresa com a qual a diretoria recebeu a informação do reaparecimento do tumor na garganta do treinador, Sandro Rosell afirmou que anunciará o substituto somente no início da semana que vem. "O vice-presidente José Maria Bartomeu e o diretor esportivo Andoni Zubizarreta devem apresentar o novo treinador no início da semana que vem."

Antes de pensar no substituto, no entanto, Rosell leu o comunicado que confirmava o encerramento da trajetória de Vilanova no clube catalão. Além do presidente, que deu a notícia ao lado de Zubizarreta, alguns dos principais jogadores do elenco, como Carles Puyol, Lionel Messi, entre outros, estiveram presentes para manifestar o apoio ao treinador.

"Comparecemos aqui para comunicar uma noticia que nunca gostaria de dar na vida. E para ser muito preciso, vou ler uma parte do comunicado, que é a seguinte: ''Depois de analisar os exames a que foi submetido nessa semana, Tito Vilanova terá que realizar um tratamento que será incompatível com a função de treinador a partir de agora''", apontou Rosell.

Como forma de respeitar a privacidade de Vilanova, que não esteve presente na coletiva desta sexta-feira, o presidente do Barcelona fez um pedido. "Quero pedir a todos, em especial à imprensa, o máximo de respeito com a família do professor." Por fim, Rosell agradeceu a presença dos atletas na sala de imprensa e informou que o Barcelona desistiu de disputar o amistoso marcado para este sábado, diante do Lechia Gdansk, da Polônia. "Nos reunimos com os jogadores no vestiário, e os agradeço em nome do clube por estarem aqui, e decidimos não jogar sábado na Polônia porque não temos cabeça para isso."

Tito Vilanova foi diagnosticado pela primeira vez com câncer no fim de 2011, quando ainda era auxiliar de Pep Guardiola. Ele passou por cirurgia para retirada do tumor, que reapareceu no fim de 2012. Após nova operação, o treinador chegou a ir para Nova York, onde ficou três meses, realizar tratamento, mas sofreu uma nova recaída e, dessa vez, teve que abandonar o futebol.

Tudo o que sabemos sobre:
futinterfutebolBarcelonaTito Vilanova

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.