Barça e Liverpool fazem duelo dos últimos campeões da Liga

Barcelona e Liverpool fazem nesta quarta-feira, na Espanha, o duelo pelas oitavas-de-final da Liga dos Campeões que reúne os dois últimos campeões da competição. Em comum, ambos têm o fato de terem sido derrotados por brasileiros no Mundial de Clubes da Fifa - os espanhóis perderam no ano passado para o Internacional, enquanto os ingleses caíram diante do São Paulo em 2005.Outro ponto em comum são as turbulências internas enfrentadas pelas equipes. O Barcelona vem de derrota para o Valencia, pelo Espanhol, e vive uma crise há uma semana, desde que Eto´o se recusou a entrar no segundo tempo de um jogo e disparou contra o técnico Frank Rijkaard e o companheiro Ronaldinho Gaúcho. Recém-recuperado de uma cirurgia no joelho direito, Eto´o não foi relacionado para a partida.Por sua vez, o Liverpool afastou o atacante irlandês Craig Bellamy e o lateral-direito norueguês John Riise, que passaram da conta na bebida e brigaram dentro de um bar em Portugal, na semana passada, durante uma intertemporada. O técnico Rafael Benítez garante que a situação já foi resolvida e que os problemas do grupo ficaram em Portugal.Mais três jogos pelas oitavasOutro duelo de gigantes contrapõe o Valencia, que briga pelo título do Espanhol, e a Inter de Milão, virtual bicampeã italiana - tem 14 pontos de vantagem para a Roma, faltando 15 rodadas. "Ninguém é invencível", alerta o presidente da Inter, Massimo Moratti, para evitar salto alto - a equipe venceu as últimas 16 partidas no Italiano, recorde europeu.A Roma, que em casa tenta se manter na caça da Inter, recebe o Lyon, que já tem uma mão na taça do hexacampeonato francês, mas viveu momentos irregulares depois da parada para as férias de inverno - chegou a ficar quase um mês sem vencer. "Temos de segurar a pressão deles", afirmou o técnico do Lyon, Gerard Houlier, que aposta mais do que em Juninho Pernambucano.Em Portugal, o Porto revê o técnico José Mourinho, que o levou ao título da Liga em 2004 e hoje senta no banco de reservas do Chelsea. "Espero ser recebido de forma amigável, como qualquer outro profissional", disse o polêmico treinador, que pede pragmatismo a sua equipe e lembra que a decisão da vaga será daqui a duas semanas, em Londres. "Não podemos nos deixar levar pela emoção."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.