Toni Albir/EFE
Toni Albir/EFE

O Estado de S. Paulo

22 Março 2015 | 07h00

O maior clássico do mundo terá neste domingo, pela primeira vez, o duelo entre os ataques mais badalados do planeta. O "MSN" (Messi, Suárez e Neymar) do Barcelona enfrentará o "BBC" (Bale, Benzema e Cristiano Ronaldo) do Real Madrid no Camp Nou num jogo que vale a liderança do Campeonato Espanhol - o Barça lidera com um ponto de vantagem (65 a 64).

O confronto do primeiro turno, vencido pelo Real por 3 a 1 no Santiago Bernabéu, teve a estreia do uruguaio Suárez, contratado do Liverpool depois da Copa do Mundo e impedido de jogar por quatro meses depois de ter sido flagrado mordendo o zagueiro italiano Chiellini. Mas no lado dos anfitriões faltava o galês Bale, que estava machucado.

Depois de uma primeira metade da temporada em que, empurrado por seu trio ofensivo o Real Madrid foi superior, o Barcelona virou o jogo de janeiro para cá graças ao rendimento de seus goleadores - principalmente de Messi. Na virada do ano o time merengue tinha cinco pontos de vantagem e havia marcado 59 gols, contra 41 do Barça. Agora, além de estar na frente da classificação, a equipe catalã é dona do ataque mais positivo da competição com 78 gols marcados - um a mais do que o Real Madrid.

Contando todas as competições, em 2015 Messi marcou 20 gols - número igual ao da soma do "BBC" -, Suárez fez nove e Neymar, oito. Na temporada, o trio do Barça fez cinco gols a mais: 82 a 77. E isso com Suárez jogando só a partir de 25 de outubro.

Um detalhe curioso é que o Real venceu os dois últimos clássicos jogando no 4-4-2. No jogo do primeiro turno, o desfalque foi Bale. E na final da Copa do Rei da temporada passada, ganha por 2 a 1, não teve Cristiano Ronaldo.

Mas o duelo entre Barcelona e Real Madrid não se limita ao confronto dos seis atacantes, porque há grandes jogadores de sobra nos outros setores. Entre os 22 que começarão a partida, 19 estiveram na Copa do Mundo ano passado. As exceções são o francês Mathieu no lado do Barça e os espanhóis Carvajal e Isco no lado do Real (o número não mudará se Carlo Ancelotti optar por colocar o ex-cruzeirense Lucas Silva no lugar de Isco para reforçar a marcação no meio-campo).

Mas podem ser 11 participantes do Mundial no time catalão, porque existe uma pequena possibilidade de o volante Busquets voltar ao time (sofreu uma lesão no tornozelo direito dia 4) e com isso o argentino Mascherano formar a zaga com Piqué. E os dois do Real Madrid que não vieram ao Brasil agora fazem parte grupo da seleção, tanto que sexta-feira foram convocados pelo técnico Vicente del Bosque para a partida do dia 27 contra a Ucrânia pelas Eliminatórias para a Eurocopa de 2016.

DECISÃO 

Para o zagueiro Piqué, o clássico não poderia ter chegado em melhor momento. "Estamos jogando muito bem e conseguindo as vitórias, e isso nos dá muita confiança para enfrentar o Real Madrid." Em sua opinião, vencer hoje e abrir quatro pontos de vantagem pode decidir o campeonato. "É certo que ainda faltarão dez rodadas, mas ganhar o clássico sempre dá uma força extra. A vitória no Camp Nou pode valer o título para nós."

Sergio Ramos reconhece que a fase do Barcelona é melhor, mas não tem dúvida de que o Real Madrid tem time para ganhar no feudo catalão e recuperar a liderança. "O nível de exigência com o nosso time é sempre muito alto. Estamos a um ponto do líder e nas quartas de final da Liga dos Campeões, e mesmo assim temos sido criticados. Por isso, nada melhor do que vencer o clássico para acalmar as coisas."

BARCELONA X REAL MADRID

BARCELONA - Bravo; Daniel Alves, Piqué, Mathieu e Jordi Alba; Mascherano, Rakitic e Iniesta; Messi, Suárez e Neymar. Técnico: Luis Enrique.

REAL MADRID - Casillas; Carvajal, Pepe,Sergio Ramos e Marcelo; Kroos, Modric e Isco (Lucas Silva); Bale e Benzema e Cristiano Ronaldo. Técnico: Carlo Ancelotti.

Juiz: Mateu Lahoz.

Local: Camp Nour, em Barcelona.

Horário: 17 horas (de Brasília).

Na TV: sem transmissão para o Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Igor Ferraz, O Estado de S. Paulo

21 Março 2015 | 15h24

Além dos valiosos três pontos para a liderança do Campeonato Espanhol, o clássico entre Barcelona e Real Madrid deste domingo também terá muita coisa em jogo para os patrocinadores. O mundo do futebol estará de olho nos pés dos astros Lionel Messi e Cristiano Ronaldo, que irão desfilar com suas novas chuteiras, apimentando o duelo fora das quatro linhas.

O craque argentino já estreou sua nova chuteira no jogo contra o Manchester City, na última quarta-feira. Ela faz alusão à infância de Messi, quando jogava nos campos do bairro de Las Heras, em Rosário, sua cidade natal. Por isso, recebeu o nome de 'Pibe de Barr10' (garoto de bairro).

"Eu deixei Rosário quando era jovem, mas continuo com meu povo, minha vizinhança. Tem muito a ver com minha vida, minha infância e muito a ver comigo", afirmou Messi ao anunciar o novo equipamento em suas redes sociais. Se depender da estreia, quando teve apresentação de gala contra o Manchester City pela Liga dos Campeões, a nova chuteira caiu como uma luva nos pés do craque. Na partida, o argentino abusou de sua condição técnica e fez até o ex-comandante, Pep Guardiola, hoje no Bayern de Munique, vibrar com seus lances.

Enquanto isso, a Nike, patrocinadora oficial de Cristiano Ronaldo e concorrente da Adidas, de Messi, nessa guerra de imagens e produtos, também entrou em campo e preparou um novo equipamento para o português: a Mercurial Superfly CR7.

A chuteira, projetada para garantir velocidade e dinâmica, de acordo com suas especificações técnicas, adota a cor prateada, em referência aos recentes troféus ganhos pelo atacante, como, por exemplo, os de melhor jogador da Europa e da Liga dos Campeões. Ela também possui uma 'gola' ao redor do tornozelo que visa dar mais estabilidade e um logotipo com a sigla CR7, na cor laranja. O português apenas treinou com o novo calçado, para estreá-lo neste Barcelona e Real Madrid.

As duas empresas, porém, vivem um paradoxo com relação aos clubes de seus patrocinados. A Adidas, de Messi, patrocina o Real Madrid, enquanto a Nike, de Cristiano, assina o material esportivo do Barcelona. Por isso, as marcas preferem explorar a imagem dos craques em suas seleções nacionais, afinal, a Argentina é patrocinada pela Adidas e Portugal recebe apoio da Nike. Quando surgiram os rumores de que Messi estaria insatisfeito no Barcelona, também comentou-se em um grande interesse da empresa alemã para que o meia mudasse de time. Mas nada foi confirmado.

TALENTO E DINHEIRO

Segundo levantamento feito pelo pesquisador alemão Peter Rohlmann e publicado no diário britânico Daily Mail, Cristiano Ronaldo é o futebolista mais bem pago por fornecedores de material esportivo do mundo. De acordo com o estudo, ele ganha o equivalente a R$ 52 milhões por ano em seu contrato com a Nike, aproximadamente a mesma quantia que recebe de salário no Real Madrid.

O contrato de Messi com a Adidas gira em torno de R$ 50,2 milhões anuais, cerca de R$ 10 milhões a menos do que recebe do próprio Barcelona. O terceiro jogador de futebol mais bem pago em contratos de patrocínio em material esportivo é o brasileiro Neymar, que ganha, por ano, R$ 35,6 milhões da fabricante estadunidense. Toda essa disputa de marcas e de craques só faz deste Barcelona e Real Madrid um clássico para ser acompanhado, principalmente por quem gosta de futebol bem jogado. O jogo está marcado para as 17h (horário de Brasília) deste domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estado de S. Paulo

22 Março 2015 | 07h00

O clássico entre Barcelona e Real Madrid é cercado de números impressionantes, de dinheiro a seguidores nas redes sociais, passando pelos jornalistas credenciados para cobrir a partida.

Os gigantes espanhóis são os clubes mais valiosos do mundo, segundo estudo feito pela Deloitte. O valor do Real Madrid está estimado em  3.440 bilhões (R$ 12 bilhões), e o do Barcelona em  2.950 (R$ 10,3 bilhões). Em terceiro lugar vem o Manchester United (R$ 9,8 bilhões), e em quarto o Bayern (R$ 6,5 bilhões).

Em 2014 os dois foram os que tiveram maior receita no futebol mundial:  549,5 milhões (R$ 1,9 bilhão) para o Real Madri e  489,6 milhões (R$ 1,7 bilhão) para o Barcelona.

O sucesso dos dois nas redes é outro arraso. Juntos, têm mais de 83 milhões de seguidores no Facebook. No Twitter, são 15 milhões os seguidores do Real e 14,4 milhões os do Barça.

ATRAÇÃO MUNDIAL 

Como não poderia deixar de ser, um confronto com tantos atrativos atrai a atenção da mídia do mundo inteiro. Para o jogo deste domingo no Camp Nou foram credenciados nada menos do que 805 jornalistas, representando 164 veículos de comunicação de 35 países. A estimativa é de que 400 milhões de pessoas vejam o jogo ao vivo em todo o mundo. No estádio, estarão presentes 98 mil torcedores. No mercado negro, um ingresso para o setor mais barato sai por  500 (R$ 1.750).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.