Barça tentou levar Cristiano Ronaldo, diz Ramón Calderón

Ex-presidente do Real Madrid revela que português pagaria 30 milhões de euros caso rompesse o acordo

EFE,

09 de fevereiro de 2010 | 14h48

O ex-presidente do Real Madrid Ramón Calderón comentou hoje que o Barcelona tentou atravessar a contratação do atacante português Cristiano Ronaldo, hoje na equipe da capital espanhola.

"É a primeira vez que conto isso, mas o Barcelona tentou a contratação. Foi uma situação difícil. Além disso, todos sabem que (o técnico escocês) Alex Ferguson não é amigo do Real Madrid por ser um rival direto nos torneios europeus", continuou.

Em um evento no canal de tv esportivo "Eurosport", o ex-presidente do Real revelou ainda que o português teria de pagar 30 milhões de euros de penalização caso houvesse rompimento do acordo.

"Cristiano acertou a transferência em 8 de dezembro de 2008. Por isso não houve negociação, a contratação já estava certa. Em um gesto de caráter e vontade clara de vir ao Real Madrid, assumiu uma cláusula de penalização de 30 milhões de euros", contou Calderón.

O dirigente lembrou ainda seus esforços para levar a decisão da Liga dos Campeões ao Santiago Bernabéu, casa do clube. "Não quero me gabar, mas o Real Madrid conseguiu essa final depois de 40 anos. Era bom para a cidade e para o time", ressaltou.

Ramón Calderón criticou algumas negociações da atual diretoria comandada por Florentino Pérez, que liberou jogadores como os holandeses Sneijder, Robben e Huntelaar.

"Não concordei com a saída deles. É uma pena, Robben está jogando muito bem no Bayern. Foi um grande erro", comentou, elogiando a permanência do técnico chileno Manuel Pellergini apesar dos primeiros maus resultados.

Calderón encerrou o encontro com o "Eurosport" lamentando não ter sido o presidente que levou o meia-atacante Kaká ao clube, e estranhou as recentes notícias sobre a lesão do jogador brasileiro.

"Li notícias que diziam que a pubalgia dele é crônica. Muitos comentam seus problemas físicos e a imprensa italiana fala da possível troca com a Juventus por Diego e Chiellini", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.