Kerstin Joensson/AP
Kerstin Joensson/AP

'Barça usará meios lícitos e ilícitos', diz Beckenbauer sobre semifinal

Para reverter goleada sofrida no jogo de ida, Barcelona precisa ganhar por 5 gols de diferença

AE, Agência Estado

29 de abril de 2013 | 13h01

BERLIM - Presidente de honra do Bayern de Munique, Franz Beckenbauer colocou uma pitada extra de polêmica no confronto de volta que o time alemão travará com o Barcelona, nesta quarta, na Espanha, pela semifinal da Copa dos Campeões da Europa. O consagrado ex-técnico e jogador da seleção alemã insinuou que a equipe espanhola irá usar de meios "lícitos e ilícitos" para tentar reverter a larga vantagem de 4 a 0 obtida pelo adversário no duelo de ida do mata-mata, na semana passada.

O dirigente falou sobre esta possibilidade em entrevista concedida ao jornal alemão Bild, publicada nesta segunda-feira. "O Barcelona recorrerá a tudo para desestabilizar o Bayern. Atuarão com recursos lícitos e ilícitos. Os jogadores do Barcelona vão à luta porque o orgulho deles está ferido. Eles não vão desistir", ressaltou Beckenbauer, que depois completou: "Vão fazer tudo que for possível para virar. Vão provocar. Utilizarão todos os truques do mundo".

Prevendo um clima tenso neste duelo de volta da Copa dos Campeões, Beckenbauer disse que será importante os atletas do Bayern não caírem em provocações, assim como alertou que o árbitro do duelo deverá ficar atento ao comportamento dos jogadores do Barcelona.

Para avançar à decisão da Copa dos Campeões, a equipe espanhola precisa conquistar uma histórica vitória por cinco gols de diferença. A repetição do placar de 4 a 0 nos 90 minutos levará o jogo para a prorrogação e, em caso de 0 a 0 no tempo extra, a vaga na final será definida nos pênaltis. Já se o Bayern balançar as redes uma vez, o Barcelona será obrigado a marcar ao menos seis para se garantir na luta pelo título, tendo em vista o maior peso do gol fora de casa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.