Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

Barcelona aciona Neymar para cobrar devolução de R$ 65 milhões após erro em cálculo de seus salários

Clube catalão admite ter repassado ao atacante um valor maior do que o combinado durante a passagem dele pelo time

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de novembro de 2020 | 11h30

O Barcelona cobra do atacante Neymar, atualmente no Paris Saint-Germain, devolução de 10,2 milhões de euros (equivalente a R$ 65 milhões). Segundo o jornal espanhol El Mundo, o clube catalão decidiu exigir o dinheiro do jogador brasileiro depois de passar por uma inspeção feita pelo Ministério da Fazenda da Espanha. No estudo, chegou-se à conclusão de que o Barcelona pagou a Neymar uma carga de impostos maior do que o necessário.

O clube acionou o jogador por meio de um processo conhecido como "pagamento indevido". O Barcelona alega que durante o período da passagem do atacante pela equipe, entre 2013 e 2017, houve um erro no cálculo do acerto de impostos ao atleta. Se a situação não for regularizada, a Agência Tributária da Espanha vai tratar o repasse desse dinheiro como doação para Neymar. E deixar que o clube se entenda com os advogados do jogador. 

Após uma passagem vitoriosa pela Catalunha, Neymar quase retornou ao Barcelona em 2019. No entanto, o PSG não liberou sua saída. Ele tinha contrato. Mesmo que essa cobrança não represente um grande problema jurídico, Neymar tem outras pendências na Espanha. Ele é, como pessoa física, a que mais deve à Fazenda do país. O valor aproximado é de R$ 220 milhões.

Nesta semana, Neymar está no Brasil, onde integra a seleção brasileira para a disputa dos próximos compromissos válidos pelas Eliminatórias da Copa do Mundo. Machucado, ele não enfrenta a Venezuela, na sexta-feira, para retornar na terça diante do Uruguai, em Montevidéu. Sua assessoria ainda não respondeu sobre o caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.