Reprodução: Instagram
Reprodução: Instagram

Barcelona anuncia contratação de lateral-direito do Ajax por quase R$ 140 milhões

'Não tenho dúvidas de que ele será um jogador muito útil para o Barça', disse o técnico Ronald Koeman sobre o novo reforço

Redação, Estadão Conteúdo

01 de outubro de 2020 | 11h11

Um lateral-direito americano é novo reforço do Barcelona. Nesta quinta-feira, o clube catalão anunciou a contratação de Sergiño Dest, que estava no Ajax e foi adquirido por 21 milhões de euros (aproximadamente R$ 139 milhões). O time ainda poderá desembolsar outros 5 milhões de euros em decorrência de cláusulas de desempenho. "Não tenho dúvidas de que ele será um jogador muito útil para o Barça", disse o técnico Ronald Koeman.

Dest, de 19 anos, substituirá Nelson Semedo, que foi transferido ao Wolverhampton, da Inglaterra, e dará a Koeman outra opção para a função de lateral-direito, hoje preenchida por Sergi Roberto, uma das posições mais carentes do elenco. Ele assinou um contrato válido por cinco temporadas.

Dest faz parte do projeto de reconstrução do Barcelona sob os comandos de Koeman, que assumiu o cargo de técnico após a devastadora derrota da equipe por 8 a 2 para o Bayern Munique nas quartas de final da Liga dos Campeões da Europa, em agosto. O clube também se reforçou através das contratações do meio-campista Miralem Pjanic e os atacantes Francisco Trincao e Pedri Gonzalez. No entanto, fora Semedo, o clube liberou Luis Suárez, Ivan Rakitic e Arthur.

Nascido em Almere, na Holanda, Dest se formou nas divisões de base do Ajax, único time que defendeu em toda sua carreira. Ele tem pai suriname-americano e mãe holandesa, mas escolheu jogar pelos Estados Unidos. O lateral já atuou na seleção principal e nos Mundiais Sub-17 e Sub-20.

"Falei com o Sergiño sobre a seleção nacional, porque ele tinha a possibilidade de jogar pela Holanda ou pelos Estados Unidos", disse Koeman. "Mas finalmente uma decisão tem que ser tomada pelo jogador, porque esse é o sentimento dele, e decidiu jogar pela seleção americana, não é um problema. Isso é bom para o futebol dos EUA", concluiu o treinador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.