Jon Super/AP Photo
Jon Super/AP Photo

Barcelona bate o Manchester United na Inglaterra e abre vantagem na Liga

Com gol de Suárez, time espanhol vence fora de casa e joga pelo empate no Camp Nou para se classificar na Liga dos Campeões

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de abril de 2019 | 18h25

O Barcelona saiu na frente no confronto contra o Manchester United, pelas quartas de final da Liga dos Campeões da Europa, ao vencer por 1 a 0, mesmo atuando no estádio Old Trafford, em Manchester, na Inglaterra. O gol foi contra do zagueiro Luke Shaw, no começo do jogo, com o auxílio do VAR, o árbitro de vídeo. O resultado positivo o deixa com vantagem do empate para o jogo da volta, na próxima terça, às 16 horas (de Brasília), no estádio Camp Nou, em Barcelona.

Assim como aconteceu nas oitavas de final contra o Paris Saint-Germain, o Manchester United vai ter de se superar em campo para avançar. Com exceção do triunfo por 1 a 0, que levará a disputa da vaga para uma prorrogação e, se necessário, decisão por pênaltis, passará às semifinais com uma vitória por qualquer placar. Pelo menos a desvantagem é menor que a da fase anterior, quando fez 3 a 1 na França para reverter a derrota por 2 a 0 na Inglaterra.

Com seu estilo de jogo de posse de bola e troca de passes - foram mais de 60% com ela nos pés de seus jogadores -, o Barcelona dominou as ações na partida e foi pouco ameaçado pelo Manchester United. Assim, logo aos 12 minutos o time espanhol marcou o seu gol e desmontou a estratégia dos ingleses de aguentar a pressão rival nos primeiros instantes do jogo.

Após mais de dois minutos tocando a bola, Busquets deu um lançamento para Messi por cima da defesa. O argentino dominou dentro da área e cruzou para Luis Suárez na segunda trave. O uruguaio cabeceou para o meio da pequena área e um leve desvio em Shaw fez a bola entrar. O gol, no entanto, só foi confirmado após a consulta ao VAR, já que o bandeirinha havia indicado impedimento de Suárez no lance.

Até o intervalo, o Manchester United correu atrás do prejuízo, principalmente com a velocidade de Fred, McTominay e Rashford no ataque, mas não foi capaz de incomodar o goleiro Ter Stegen. O Barcelona ainda teve uma boa chance com o meia brasileiro Philippe Coutinho, que bateu forte e rasteiro para defesa de De Gea com os pés.

Para a segunda etapa, o técnico norueguês Solskjaer mudou o posicionamento do setor ofensivo de seu time e o Manchester United teve um leve domínio nos primeiros 15 minutos. O problema era que a bola não chegava em boas condições para a finalização do centroavante belga Lukaku, muito isolado entre os zagueiros Piqué e Lenglet.

Depois de sofrer essa pressão, aos 19 minutos o Barcelona teve uma boa chance com Suárez, mas o seu chute, após receber lançamento de Semedo, foi para fora. Aos 40, foi Messi que perdeu outra oportunidade em cobrança de falta. O argentino optou por bater uma falta por baixo da barreira e De Gea conseguiu fazer a defesa sem sustos.

Nos últimos minutos, o Barcelona soube evitar qualquer tentativa de ataque do Manchester United, que buscava mais os lançamentos longos para Lukaku na entrada da área, e esperou pelo apito final do árbitro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.