Albert Gea/Reuters
Albert Gea/Reuters

Barcelona chega a acordo com elenco para redução salarial de R$ 780 milhões

Valores não serão pagos nesta temporada, sendo diluídos ao longo dos próximos anos

Redação, Estadão Conteúdo

29 de novembro de 2020 | 04h00

O Barcelona chegou a um acordo com os representantes dos jogadores do time principal e do time B para uma redução salarial no valor de 122 milhões de euros (aproximadamente 780 milhões de reais) com os jogadores nos salários fixos, além de outros 50 milhões de euros (R$ 320 milhões) nas metas variáveis. A redução se dará nesta temporada, com o dinheiro sendo pago ao longo dos próximos quatro anos, no caso dos pagamentos fixos, e três anos, no dos variáveis.

As negociações não foram fáceis, tendo ocorrido sete reuniões entre o clube e os representantes dos atletas. Contudo, nem todos os jogadores estarão no acordo: Piqué, Ter Stegen, Lenglet e De Jong já haviam aceitado uma redução salarial anteriormente, antes de Josep Maria Bartomeu renunciar à presidência do Barcelona, mas com a condição de estenderem seus vínculos com o clube por mais tempo.

A junta diretiva que assumiu o comando do clube e seguiu as negociações. "A ideia é diferir os pagamentos e chegar a um acordo que favoreça todas as partes. Não queremos tirar dinheiro de ninguém", explicou Carlos Tusquets, presidente da junta. Segundo Tusquets, o clube precisaria economizar 300 milhões de euros (R$1,9 bilhão) para se enquadrar no que previa gastar.

Inicialmente, a ideia era conseguir reduzir o salário dos atletas em 190 milhões de euros (R$ 1,2 bilhão). A intenção da junta era que o que o clube economizou na temporada 2020-2021 em salários fosse pago em 10 anos. Os jogadores estavam predispostos a ajudar o clube, mas consideravam que o montante e, principalmente, os prazos eram muito grandes. Por fim, conseguiram o acordo para a redução.

Na oposição do clube, surgiram críticas ao acordo. Um pré-candidato à presidência ouvida pelo jornal El Pais afirmou que o acordo não faz sentido, já que o próximo presidente do clube terá que seguir negociando o tema. Outro ponto levantado é que não foi alcançado o valor desejado e, que portanto, o clube terá que seguir buscando outras formas de economizar dinheiro. As eleições no Barcelona estão marcadas para março de 2021.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.