Barcelona defende venda de Ronaldinho Gaúcho e de Deco

O presidente Joan Laporta defendeu a transferência de dois de seus principais jogadores para o Chelsea

EFE

24 de agosto de 2008 | 19h32

O presidente do Barcelona, Joan Laporta, defendeu neste domingo a decisão de sua equipe de transferir duas de suas estrelas nas últimas temporadas, o meia-atacante Ronaldinho Gaúcho, para o Milan, e o brasileiro naturalizado português Deco, para o Chelsea.   Em resposta a uma pergunta de um dos sócios presentes na assembléia anual do clube, o presidente afirmou que a equipe concedeu "uma segunda oportunidade" aos dois jogadores como demonstração de "agradecimento" por seus sucessos esportivos, mas que nem Ronaldinho Gaúcho nem Deco "a aproveitaram".   Por isto, e apelando a "razões esportivas e institucionais", o clube "decidiu que não seguiriam". Laporta chamou de "boa operação" a transferência de Ronaldinho Gaúcho para o Milan por 21 milhões de euros e afirmou que o brasileiro deixou o Barça "com todas as honras e agradecimentos".   Além disso, defendeu a venda de Deco para o Chelsea. "Trata-se de um jogador que chegou ao Barcelona com 27 anos e que vai embora com 31. O Chelsea nos pagou dez milhões de euros praticamente em dinheiro", concluiu.   Sobre o caso de Samuel Eto'o, inicialmente descartado, mas reintegrado à equipe posteriormente pelo técnico Guardiola, Laporta afirmou que o atacante camaronês "os fez mudar de opinião", pois, "se está motivado, não há outro como ele quanto à eficácia".

Tudo o que sabemos sobre:
barcelonaronaldinho gauchodeco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.