Barcelona desafia favoritismo do Manchester United

Time espanhol tenta espantar má fase para largar com vantagem nas semifinais da Liga dos Campeões

Agência Estado,

22 de abril de 2008 | 17h32

Em má fase, praticamente sem chances de conquistar o título espanhol e perto de perder Ronaldinho Gaúcho para o futebol italiano, o Barcelona junta aos cacos para enfrentar o Manchester United nesta quarta-feira, às 15h45 (de Brasília), na primeira partida das semifinais da Liga dos Campeões. O sentimento da torcida foi traduzido nesta terça pelo atacante argentino Lionel Messi.   Veja também:  Chelsea e Liverpool empatam pela Liga dos Campeões   "Para ser honesto, este jogo é o que nos resta, e será muito importante chegar a mais uma decisão", afirmou o argentino, que deve voltar ao time titular depois de se recuperar de uma lesão muscular, e recusou qualquer tipo de duelo ou comparação com o português Cristiano Ronaldo, astro do Manchester United. "É um jogo entre dois grandes clubes, e não entre dois jogadores", disse. Os dois disputam a artilharia da competição: Cristiano Ronaldo tem sete gols, contra seis de Messi. Barcelona Valdés; Zambrotta, Milito, Rafa Márquez e Abidal; Xavi, Yaya Touré e Iniesta; Messi, Eto\'o e Bojan Técnico: Frank Rijkaard Manchester Van der Sar; Brown, Ferdinand, Vidic e Evra; Carrick, Hargreaves, Scholes e Giggs; Cristiano Ronaldo e Rooney Técnico: Alex Ferguson Árbitro: Massimo Busacca (SUI)Estádio: Camp Nou, em Barcelona (ESP)Horário: 15h45 (de Brasília)Rádio: Eldorado/ESPN - AM 700Khz   A volta do argentino não causa medo entre o time inglês. Seu compatriota Carlos Tevez foi direto: "É bom que ele jogue, porque se o vencermos com Messi em campo, então não haverá desculpas", disse o ex-corintiano. O Camp Nou é de feliz memória para o Manchester: foi lá que o time conquistou o título da Liga dos Campeões em 1999, numa incrível virada sobre o Bayern de Munique, nos acréscimos. Daquele time, ainda permanecem o técnico Alex Ferguson e os meias Paul Scholes e Ryan Giggs.   Ferguson, aliás, se recusa a falar em favoritismo para o duelo que começa nesta quarta e acaba no dia 29, na Inglaterra. "Não creio que sejamos os favoritos. São duas grandes equipes, com jogadores de qualidade e estilos de jogo similares. Nessa altura da competição, só pode ser um jogo equilibrado", disse o técnico.   Do lado do Barcelona, Frank Rijkaard não perdeu a empáfia, apesar da ameaça de ficar desempregado em caso de fracasso. Para ele, a má fase no Campeonato Espanhol, com apenas uma vitória nos últimos oito jogos e o título entregue praticamente de bandeja para o Real Madrid, não entrará em campo nesta quarta. "Não há favoritos num jogo como esse. Vamos ver no campo quem é o melhor."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.