Marcos de Paula/Estadão - 25/2/2013
Marcos de Paula/Estadão - 25/2/2013

Barcelona não teme ser punido pela Fifa pela transferência de Neymar

Clube só revelou a existência do acordo porque sabe que agiu com conhecimento do Santos

Luís Augusto Monaco, O Estado de S. Paulo

29 de janeiro de 2014 | 04h44

SÃO PAULO - A declaração do pai de Neymar de que fechou um acordo com o Barcelona em novembro de 2011 com autorização do Santos não pegou a cúpula do clube espanhol de surpresa. Segundo uma fonte ouvida pelo Estado e que pediu para não ser identificada, o Barça só admitiu a existência desse contrato (na entrevista coletiva de sexta-feira do presidente Josep Bartomeu) porque tem a cópia de um documento assinado por Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, o presidente santista à época, dando sinal verde para o pai do craque e o Barcelona negociarem os termos da transferência para julho de 2014 - quando venceria seu contrato na Vila Belmiro.

"Isso é algo muito sério, não poderia ser combinado só de boca. E se muda a diretoria do Santos e resolvem denunciar o Barcelona à Fifa por aliciamento do jogador? O contrato só foi fechado porque existia a autorização por escrito", disse a fonte.

Como o Estado revelou na edição de 7 de março de 2013, Neymar só ficou no Santos em 2011 porque a diretoria presidida por Luis Alvaro concordou em reduzir em um ano o seu contrato e deixá-lo ir de graça para o Barça em 2014. O anúncio desse novo contrato foi feito dia 9 de novembro de 2011, o que leva a crer que nessa data o pai de Neymar já tinha a autorização para negociar com o clube espanhol - o acordo dos 40 milhões (R$ 132 milhões) foi firmado seis dias depois.

A fonte também explicou por que o Barça pagou 30 milhões (R$ 99 milhões) para a N&N (empresa do pai de Neymar) mesmo depois de ter comprado os direitos econômicos do Santos por 17,1 milhões (R$ 56,4 milhões).

"Quando foi feito o contrato de 2011, ficou acertado o adiantamento de 10 milhões (que foram pagos no início de 2012) e o pagamento de 30 milhões quando ele saísse de graça em 2014. Se o Barça não cumprisse sua parte, teria de pagar os 30 milhões. Se o Neymar não cumprisse, teria de devolver os 10 milhões e pagar 30 milhões de indenização. O Barcelona não cumpriu sua parte porque foi negociar com o Santos, por isso lhe pagou a multa."

OFERTA MIRABOLANTE 

Por fim, disse que desde o acordo de 2011 o Barça tinha certeza de que levaria Neymar. E revelou o tamanho da proposta que o Real Madrid mandou no dia da última reunião com o Santos na Vila para mostrar que dinheiro nenhum faria o craque desistir de jogar no Camp Nou: 36 milhões (R$ 118,8 milhões) para o Santos, 60 milhões (R$ 198 milhões) para Neymar, 40 milhões (R$ 132 milhões) para pagar a multa ao Barcelona e 10 milhões (R$ 33 milhões) em comissões para empresários. Nada menos do que 146 milhões (R$ 481,8 milhões).

Além disso, contou que o salário líquido anual de Neymar no Barcelona é de 4,9 milhões (R$ 43,1 milhões), porque os impostos comem 56% dos 8,8 milhões (R$ 29 milhões) brutos estipulados em seu contrato. E a última proposta do Real lhe oferecia 12 milhões (R$ 39,6 milhões) limpos por temporada.

Tudo o que sabemos sobre:
futinterfutebolFC BarcelonaNeymarFifa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.