Barcelona prova do próprio veneno contra o Milan

Time de Messi perde por 2 a 0 e agora terá de esperar até o dia 12 de março para tentar dar o troco na Espanha

O Estado de S. Paulo

20 de fevereiro de 2013 | 20h03

SÃO PAULO - Nem o mais otimista dos torcedores do Milan poderia imaginar que seu time sairia do primeiro confronto com o temido Barcelona em situação tão confortável para conseguir a vaga nas quartas de final da Copa dos Campeões. A vitória por 2 a 0 conseguida nesta quarta no San Siro dá à equipe a chance de se classificar até com uma derrota no Camp Nou, dia 12 de março, desde que seja por um gol de diferença.

O que o Milan fez ontem foi um aperfeiçoamento do que o Chelsea havia feito com sucesso nas semifinais da temporada passada. Amarrou o Barça com mais eficiência do que qualquer outra equipe que cruzou o caminho da máquina catalã nos últimos cinco anos – o período dourado da equipe moldada por Pep Guardiola –, e a prova disso é Messi e companhia não tiveram sequer uma chance clara de gol durante 90 minutos. E nos contra-golpes foi sempre muito perigoso, tirando proveito dos lançamentos de Montolivo – um monstro em campo – para El Shaarawy, Boateng e Niang, que entrou em lugar de Pazzini quando o placar mostrava 1 a 0.

O técnico Massimiliano Allegri montou duas barricadas muito próximas na frente de sua área. Na última linha ficavam os quatro homens de defesa, e na primeira havia cinco jogadores – com Boateng e El Shaarawy abertos para impedir os avanços dos laterais Jordi Alba e Daniel Alves. O Barça tocava e tocava (acabou o jogo com 65% de posse de bola), mas não conseguia entrar na área nem encontrar espaço para finalizar.{

Com uma aplicação fabulosa, os jogadores do Milan faziam uma marcação pegajosa e não davam chance para os craques do Barça respirarem. E não hesitavam em se jogar na frente da bola para matar as jogadas.

Veio o segundo tempo, e um erro do árbitro deixou o jogo ainda mais favorável ao Milan. Aos 12 minutos, um tiro de Montolivo em cobrança de falta que ia para fora bateu na mão de Muntari, mudou de direção e pingou na frente de Boateng, que bateu de esquerda e marcou.

SEM DESCULPA

O gol motivou ainda mais os jogadores do Milan, que se desdobravam na marcação e não permitiam que Messi, Xavi e Iniesta se conectassem. O Barça foi deixando a defesa cada vez mais desprotegida, e pagou caro aos 36 minutos quando Muntari concluiu com sucesso um contragolpe muito bem construído. "Não temos desculpa. Depois do primeiro gol nos descontrolamos", disse o zagueiro Piqué. "Foi um resultado muito ruim. Precisaremos de uma noite mágica no Camp Nou para reverter a situação."

No lado do Milan, Massimiliano Allegri estava exultante com a atuação de seu time. "Fomos muito bem na defesa e não permitimos nada ao Barcelona, o que não é uma tarefa fácil. E no fim, com um pouco mais de calma poderíamos ter feito 3 a 0. Vamos ao Camp Nou para fazer um gol e aumentar nossa vantagem."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.