Barcelona recusa proposta do Milan por Ronaldinho Gaúcho

Oferta de 15 milhões de euros do clube italiano é metade da oferecida pelo Manchester City, da Inglaterra

EFE

15 de julho de 2008 | 16h07

O Barcelona disse nesta terça-feira que não aceitou a oferta apresentada pelo Milan para contratar o meia-atacante brasileiro Ronaldinho Gaúcho, mas não descartou um novo encontro com os dirigentes do clube italiano.Veja também: Milan fez proposta final por Ronaldinho Gaúcho, dizem jornais Milan se prepara para anunciar contratação de RonaldinhoA proposta dos italianos é de 15 milhões de euros (aproximadamente R$ 37,5 milhões) fixos e outros cinco variáveis - muito distante dos 30 milhões oferecidos pelo Manchester City, que ainda teria aumentado a quantia. Representantes da equipe inglesa voltaram a Manchester, mas podem retornar assim que forem autorizados a negociar novamente.No encontro desta terça, o ex-jogador Assis, irmão e representante de Ronaldinho Gaúcho, se encontrou com dois advogados, com o dirigente do Barcelona Rafael Yuste, com o secretário técnico Txiki Begiristain e com Raül Sanllehí (diretor de futebol).Depois da breve reunião, o Barcelona disse a Assis que os valores eram insuficientes para negociar, recusando a oferta. Ao ouvir a recusa ele voltou ao hotel no qual estão os representantes do rubro-negro de Milão.Apesar da negativa, as negociações não foram rompidas em razão do interesse do clube no jogador e de Ronaldinho de seguir para a equipe de Kaká.Entretanto, isto se choca com o interesse do Barcelona de completar um bom negócio em um momento no qual também está na disputa o Manchester City, disposto a melhorar quase diariamente a oferta que apresentou há poucos dias e que chegava a 27 milhões de euros, valor que agora poderia se aproximar dos 30 milhões.No caso de não ser alcançado um acordo nos próximos dias, Ronaldinho Gaúcho voltará a treinar com o Barcelona na próxima sexta. Este é o acordo feito pelo jogador brasileiro com a equipe espanhola caso não haja uma transferência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.