Epitácio Pessoa/AE
Epitácio Pessoa/AE

Barcos abre mão do cavanhaque para salvar o Palmeiras da queda

Argentino diz que visual apresentado diante do Figueirense é uma superstição para ajudar

AE, Agência Estado

24 de setembro de 2012 | 19h37

SÃO PAULO - A fase do Palmeiras é tão complicada que tudo pode ser usado como motivação para o time sair da zona de rebaixamento, até mesmo mudar o visual. E foi justamente o que fez o atacante Hernán Barcos, que surpreendeu ao aparecer sem cavanhaque no jogo contra o Figueirense. Segundo o argentino, foi uma espécie de superstição para ajudar a equipe.

"Sempre que estou numa situação ruim eu tento mudar alguma coisa do visual. Agora foi o cavanhaque e felizmente deu certo, já que vencemos o Figueirense (por 3 a 1). Se voltar a dar errado, mudo alguma outra coisa", disse o argentino, mostrando bom humor.

Com ou sem cavanhaque, Barcos sabe que está devendo e vive uma inédita seca de gols no Palmeiras. Seu último gol foi no dia 19 de agosto, na derrota por 2 a 1 para o Atlético-GO. "Fiquei fora um tempo e depois não estou tendo muitas opções de gols. Eu tenho de sair da área para ajudar a equipe muitas vezes e com isso consigo tocar na bola", explicou o Pirata, que emendou. "O mais importante é que vencemos, não importa quem fez o gol."

O Palmeiras se reapresentou nesta segunda-feira já dando início aos trabalhando visando a partida contra a Ponte Preta. O elenco volta aos treinos na terça-feira, às 9h30.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeirasBrasileirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.