Evelson de Freitas/Estadão
Evelson de Freitas/Estadão

Barcos critica Tirone e diz não saber se permanece no Palmeiras em 2013

Sonhando com a seleção argentina, atacante não quer jogar a Série B do Brasileiro

DANIEL AKSTEIN BATISTA, O Estado de S. Paulo

27 de novembro de 2012 | 19h05

SÃO PAULO - Ídolo da torcida palmeirense e um dos poucos destaques do time na temporada, o atacante argentino Barcos revelou nesta terça-feira que está mesmo em dúvida sobre seu futuro. Ele reforçou o desejo de ficar no Palmeiras, mas admitiu que pode ir embora por causa do rebaixamento para a Série B do Brasileiro. E criticou a postura do presidente Arnaldo Tirone, que vem dizendo que o atleta não deixará o clube até 2015, quando termina seu contrato.

"Ele não pode falar isso. Tem que respeitar o que eu penso. Ele não pode falar que vou ficar até o fim, isso está me prejudicando", disse Barcos, ao comentar sobre as declarações de Tirone de que não iria liberá-lo. O atacante garante, porém, que não deixaria o clube brigado. A multa para tirar Barcos do Palmeiras é de 20 milhões de euros (R$ 54 miulhões).

"Ainda estou pensando (no que fazer). Falei com o técnico da seleção (Alejandro Sabella) e ele disse que não vou ter a mesma possibilidade (de ser convocado) jogando a Série B", afirmou Barcos, em entrevista coletiva. "É uma decisão difícil. De coração, eu quero ficar. Mas, para mim, a seleção é muito importante."

Barcos chegou ao Palmeiras no começo do ano, depois de fazer algum sucesso na LDU, do Equador. A boa fase com a camisa palmeirense, principalmente após o título da Copa do Brasil, fez com que ele fosse convocado pela primeira vez para a seleção argentina, passando a ser presença constante nas listas de Sabella.

Segundo ele, o técnico da Argentina teme pela produtividade de um jogador que atue na segunda divisão. "O problema não é acompanhar o campeonato (da Série B), mas, sim, o nível de competitividade da competição. Depois, na seleção, vou ter que jogar contra os melhores jogadores da América", explicou Barcos. "Sinceramente, não sei o que fazer. Tenho algumas propostas que estamos analisando. Se for para sair, que seja de acordo. Não quero que seja brigado", avisou Barcos, ressaltando que não tem nenhuma oferta de clube brasileiro. Ele garantiu, inclusive, que não iria para os rivais Corinthians e São Paulo, por respeito à torcida palmeirense.

SEM COMPARAÇÃO

Barcos pede para que não comparem a sua situação com a do ex-goleiro Marcos, que rejeitou propostas para sair do Palmeiras em 2003, para jogar a Série B. "Ele já tinha jogado um Mundial", lembrou o argentino.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeirasBarcos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.