Barra Mansa aliviada: time vai sobreviver

Mudar para não acabar virou rotina para um clube do interior do Rio, o Siderantim, de Barra Mansa, que, aos 52 anos, vai pela terceira vez ocupar uma nova sede. Situado em um terreno da Siderúrgica Barra Mansa (SBM), do Grupo Votorantim, a agremiação ganhará um novo estádio, com direito a pista de cooper e cancha de bocha, de acordo com o diretor de Recursos Humanos da empresa, Alberto Gazzo.O Siderantim foi fundado em 4 de agosto de 1951 por um grupo de funcionários da SBM e sempre ocupou terrenos cedidos pela empresa. Por muitos anos, o clube representou uma porta de acesso a um emprego na siderúrgica. Atualmente, mantinha apenas divisões de base, com importante trabalho social, envolvendo 150 adolescentes."Nosso problema é que ninguém da siderúrgica nos falou até agora como vai ficar o clube. Só dizem que vão fazer algo", disse um dirigente do Siderantim, que preferiu o anonimato, por trabalhar na SBM e temer pela perda do emprego.O estádio Comendador Pereira Inácio fica no primeiro terreno previsto para ocupação no novo projeto de expansão da SBM, que vai ampliar sua área de expedição. Várias casas de moradores nesse trecho foram adquiridas pela siderúrgica e derrubadas para não impedir a concretização do plano, que tem a perspectiva de gerar 150 empregos diretos."O Siderantim não vai acabar. Pedimos o terreno que estava cedido, por comodato, porque não havia jeito de o clube continuar lá", explicou o diretor de Recursos Humanos da SBM. "Em contrapartida vamos construir uma nova sede e, além do campo de futebol, teremos também uma pista de cooper, campos de bocha e parquinho para as crianças."As obras da nova sede do clube devem ficar prontas até o fim do primeiro semestre. Os rumores do fim do Siderantim surgiram no meio do ano passado, quando a SBM pediu o campo e suspendeu a ajuda de custo mensal de cerca de R$ 2 mil à agremiação, sem dizer quando iriam construir uma nova sede.

Agencia Estado,

03 de março de 2004 | 09h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.