Ícaro Limaverde/Estadão
Ícaro Limaverde/Estadão

Barrios supera esquecimento no Palmeiras e vira favorito a ser titular

Paraguaio ganha preferência de Baptista para o início da temporada

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

27 de janeiro de 2017 | 07h00

Antes relegado, agora promovido. A pré-temporada do Palmeiras motivou uma reviravolta positiva para o atacante paraguaio Lucas Barrios. O dono do maior salário do elenco, R$ 1 milhão, ganhou a vaga de titular nos últimos treinos e deve ter a chance de iniciar no time principal no amistoso de domingo, com a Ponte Preta, tanto como a partida de estreia em jogos oficiais, pelo Campeonato Paulista, no Botafogo.

O atacante ganhou espaço nas atividades desta semana. Barrios se tornou a primeira opção para o ataque, ao fazer o antigo escolhido, Alecsandro, se tornar o terceiro na preferência. No jogo-treino desta quinta, contra o Atibaia, na Academia de Futebol, o paraguaio atuou no primeiro time, formado basicamente pelos titulares, enquanto Willian jogou a segunda parte e Alecsandro, a última.

A preferência por Barrios faz 'esfriar' a procura de outros clubes pelo jogador. O paraguaio teve sondagens do Olímpia nas últimas semanas, pouco depois de encerrar a temporada 2016 em baixa. O atacante passou o ano na reserva, situação que incomodou a Crefisa, patrocinadora responsável por contratar e pagar os salários do jogador.

A saída de Gabriel Jesus para o Manchester City fez tudo mudar. Baptista tem estudado alternativas para definir o substituto e embora conte com oito opções para o ataque, quer montar o esquema tático 4-1-4-1 com base em um jogador de referência que possa ter presença de área e segurar a bola no setor ofensivo. Apesar de Alecsandro ter sido titular contra a Chapecoense, com Barrios poupado, é a vez de o paraguaio ter oportunidade pelo menos nesta primeira sequência da temporada.

 

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasAlecsandroAlecsandro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.