Jamil Chade/Estadão
Estádio Fisht custou R$ 2,5 bilhões e a cidade de Sochi nem mesmo tem um time de futebol na primeira divisão do Campeonato Russo  Jamil Chade/Estadão

Base do Brasil na Copa, Sochi aposta em eventos para minimizar polêmicas

Balneário é permeado de escândalos de corrupção e virou referência para eventos na Rússia de Putin

Jamil Chade, enviado especial a Sochi

17 de dezembro de 2017 | 07h00

Do início da estrada, a vista dos picos nevados da estação de esqui de Krasnaya Polyana se contrastam com as imagens da praia e palmeiras de Sochi. Foi ali que, em 2014, a cidade organizou os Jogos Olímpicos de Inverno, transformando o balneário também em um destino para esportes como esqui e turismo. Mas para ligar a cidade banhada pelo Mar Negro à neve, a obra viária que foi construída acabaria sendo a estrada mais cara da historia da Rússia. 

Após gastos em estrutura, autoridades de Sochi querem treino aberto do Brasil

Para fazer apenas 49 quilômetros de trajeto em duas pistas para carros e uma linha de trem, foram destinados US$ 8 bilhões (R$ 26,3 bilhões), mais do que o Brasil gastou para erguer seus estádios para a Copa. “Aproveite a vista. Essa é a estrada mais cara do mundo”, ironizou Ilya, motorista de um serviço de transporte que levou a reportagem do Estado pelo local.  

A estrada liga Sochi a topo de Krasnaya Polyana e, apesar da complexidade de seus mais de 60 túneis e pontes, poucos na cidade conseguem explicar o motivo pelo qual a obra passou de um orçamento inicial de US$ 2,8 bilhões (R$ 9,1 bilhões) para o preço final quase três vezes maior. O contrato não foi sequer aberto para licitação e os trabalhos ficaram com duas empresas, ambos com ligações a aliados do presidente Vladimir Putin. 

A estrada é apenas parte de um esquema que passou a ser considerado como um exemplo do que uma cidade-sede não pode fazer como projeto olímpico. A transparência da obra, e de seus altos custos, nunca foi atestada. 

A CBF decidiu transformar Sochi em sua base durante a Copa do Mundo, apontando para a infraestrutura existente, clima, facilidades entre o hotel e campo de treinamento como principais argumentos e a aparente tranquilidade.

Sochi é, acima de tudo, um projeto pessoal de Vladimir Putin. O presidente russo tem a cidade como seu destino predileto na Rússia e decidiu que voltaria a dar a ela o mesmo status que tinha durante a era Soviética. Por décadas, foi em Sochi que a elite do Partido Comunista era enviada como forma de premiação como atos de bravura. Como muitas cidades da ex-URSS, Sochi chegou ao século 21 ultrapassada e parada no tempo. Para repaginá-la, foram destinados US$ 51 bilhões (R$ 167.7 bilhões) até 2014. Depois disso, mais alguns milhões foram gastos para a Copa do Mundo.  

ESTÁDIO

O estádio que será usado para sediar cinco jogos da Copa, o Fisht, custou oficialmente US$ 779 milhões (R$ 2,5 bilhões) e também foi o local de abertura e encerramento da Olimpíada de 2014. Só para retirar o teto que existia para os Jogos de Inverno e adaptá-lo para o uso da Fifa, mais US$ 46 milhões (R$ 151,3 milhões) foram gastos. 

Em Sochi, Tite exige “qualidade máxima” de gramado

Ao longo de sua obra, ele viu seu orçamento aumentar em 14 vezes. A construção ficou para a Engeocom, empresa acusada de irregularidades pelo Tribunal de Contas da Rússia. A divisão de investigações da cidade de Sochi também iniciou, em 2012, um inquérito sobre os valores destinados ao estádio. Mas, cinco anos depois, o caso ainda não foi concluído. 

Hoje, a cidade não tem sequer um time de futebol. Ao Estado, o vice-prefeito de Sochi, Sergey Yurchenko, explicou que o objetivo depois da Copa é o de atrair times para disputar grandes jogos no local, além de seleções. “No futuro, não será apenas para o futebol, mas também para entretenimento”, disse. 

Desde a Copa das Confederações, o estádio não foi usado, sob a justificativa de que teria de se preparar para a Copa de 2018. “Nada ocorre ali”, admitiu. Antes, foram apenas três amistosos. Questionado sobre o orçamento da cidade para a Copa, o vice-prefeito não respondeu.

Cidade prevê injeção de dinheiro com a chegada do Brasil em 2018

Para ele, o investimento na Olimpíada e Copa está compensando. “Adoraríamos ter mais eventos como a Copa”, afirmou. Antes das obras, a cidade recebia cerca de 3 milhões de pessoas por ano. “Hoje, são mais de 6 milhões”, afirmou. “Temos 20 mil pessoas por dia no Parque Olímpico durante o verão e, por ano, temos 250 eventos na cidade”. 

Mas por onde alguém ande por Sochi, depara-se com uma obra enrolada em polêmicas. Num estudo realizado pelo opositor de Putin, Alexey Navalny, um mapa das empresas que ganharam contratos na cidade revela como eles foram destinados a grupos aliados ao presidente russo. 

No caso da arena de hockey e a pista de bobsled, por exemplo, o valor da obra ficou US$ 260 milhões (R$ 855 milhões) acima dos preços de mercado. Elas foram realizadas por uma empresa de políticos da Sibéria que jamais tinha feito obras para arenas esportivas. Trata-se da Mostovik, que até Sochi tinha construído somente uma ponte em Vladivostok. Ela, porém, é propriedade do deputado Oleg Shilov. 

Sorteio da Copa faz Brasil percorrer 7 mil km na primeira fase

A investigação também mostrou que três amigos de longa data de Putin receberam um total de US$ 15 bilhões (R$ 49,3 bilhões) em contratos. Um deles era o parceiro de artes marciais de Putin e um dos homens mais ricos da Rússia, Gennady Timchenko. Outro, Arkady Rotenberg, ganhou sozinho US$ 7 bilhões (R$ 23,7 bilhões) em contratos. 

Também foi beneficiado o instrutor de esqui do ex-primeiro-ministro, Dmitry Medvedev. A empresa que recebeu contratos para fazer uma das pistas de esqui foi a Rosengineering, criada por Dmitry Novikov, da federação de esqui e amigo de Medvedev.

IGREJA 

Até a Igreja Ortodoxa, aliada a Putin, foi beneficiada em Sochi. Putin colocou seu chefe de gabinete, Vladimir Kozhin, para presidir uma fundação que iria recolher doações para renovar a igreja de Sochi. O local, porém, acabou recebendo US$ 15 milhões (R$ 49,3 bilhões)  do orçamento olímpico, sob a justificativa de ser um “centro cultural e histórico” da cidade.

Falar da corrupção hoje em Sochi é um tabu. Nos anos que anteciparam os Jogos, procuradores chegaram a apontar que cerca de US$ 800 milhões (R$ 2,6 bilhões) poderiam ter sido desviados em propinas nas obras. Até hoje, nenhum caso conseguiu avançar.

+ INFOGRÁFICO: Os grupos da Copa do Mundo 

A censura imposta pelo governo sobre a imprensa russa também impediu que investigações e a publicação de reportagens fossem realizadas sobre o tema. Um dos poucos que se atreveram a fuçar o que ocorreu na cidade, Boris Nemtsov, acabaria assassinado em Moscou em fevereiro de 2015. Crítico de Putin, Nemtsov se debruçou sobre os contratos do Kremlin na cidade ao Sul. Em 2009, ele foi derrotado nas eleições para a prefeitura de Sochi e denunciou fraude na votação que elegeu Anatoly Pakhomov, outro aliado de Putin.  

Com o material que ele colheu, porém, chegou à conclusão que o dinheiro para transformar Sochi em um centro do esporte e do prestígio de Putin seria suficiente para realizar 3 mil quilômetros de estradas ou construir 800 mil casas para os russos.

Zhanna Nemtsov, filha do opositor, contou ao Estado que seu pai já temia por um atentado quando suas revelações sobre a corrupção em Sochi começaram a surgir. “A propaganda do Estado russo cria uma atmosfera no país onde crimes como o do meu pai passam a ser considerados como possíveis”, disse.  

No dia 26 de maio de 2015, ela decidiu abandonar sua vida em Moscou e se mudou para a Alemanha, onde passou a ser apresentadora de um canal público, criou uma fundação pela liberdade de expressão e, com seu trabalho, vem acumulando prêmios de governos e entidades. 

Os casos de suspeita de corrupção chegaram a repercutir no COI. Antes dos Jogos de 2014, o delegado da entidade, Gian Franco Kasper, declarou que um terço do orçamento dos Jogos tinha desaparecido. Sua crítica foi imediatamente respondida por Vladimir Yakunin, presidente da empresa ferroviária do país e que era uma das principais construtoras das obras. “Ele deve ser julgado pelo que disse”. 

Em resposta à reportagem do Estado, o Comitê Organizador da Copa do Mundo de 2018 indica que todos os gastos do Mundial são “monitorados pela Câmara de Auditoria da Federação Russa, que acompanha e revê o trabalho feito sob os auspícios das autoridades federais, regionais e municipais”.

Questionado sobre as acusações relativas às obras na cidade, o Comitê indicou que “desconhece e não está em posição para comentar qualquer alegação feita sobre a Olimpíada de 2014”. Os organizadores, porém, indicam que Sochi sempre fez parte da candidatura, desde 2009.  “Uma das principais razões para se incluir Sochi na Copa obviamente foi o fato de que uma parte substancial das instalações das Olimpíadas poderiam ser usadas de forma eficiente para o Mundial, ampliando ainda mais o legado olímpico”, disse. “O resultado é que o orçamento para a região de Krasnodar chega a 10,2 bilhões de rublos (US$ 180 milhões), o menor entre todas as onze regiões sedes da Copa”. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

'Construímos uma nova cidade em cinco anos', diz prefeito de Sochi

Para Anatoly Pakhomov, estratégia de atrair eventos esportivos obrigou o governo de Putin a realizar obras de dimensões inéditas

Entrevista com

Anatoly Pakhomov, prefeito de Sochi

Jamil Chade, enviado especial a Sochi

17 de dezembro de 2017 | 07h00

“Em apenas cinco anos, a Rússia construiu uma nova cidade”. A declaração é do prefeito de Sochi, Anatoly Pakhomov. Em entrevista ao Estado, ele insiste sobre a importância de receber a seleção brasileira como forma de desenvolver o futebol na cidade e defende o legado deixado pelos mega-eventos.

Após gastos em estrutura, autoridades de Sochi querem treino aberto do Brasil

Velho aliado de Vladimir Putin, Pakhomov foi eleito em 2009 e comandou o local durante o período de maior transformação da cidade. Para ele, a estratégia de atrair eventos esportivos obrigou o governo a realizar obras de dimensões inéditas.

Qual é a importância para Sochi receber a seleção brasileira?

Estamos muito satisfeitos que a seleção brasileira e seus muitos torcedores famosos por sua paixão pelo esporte e alegria vão chegar a Sochi em 2018. O Brasil é um país onde todos jogam futebol. Setenta e cinco por centro da população estão interessados no jogo, e a seleção jamais ficou de fora de uma Copa. O futebol une o país e faz as pessoas mais fortes. Mas nós também queremos que nossas crianças e adultos joguem futebol e deixem que o futebol seja parte de seu cotidiano.

Em Sochi, temos tudo para isso. O clima é bom e temos infraestrutura, que melhora com o tempo. Ao longo de seus 146 quilômetros à beira do Mar Negro, temos dezenas de campos de futebol onde jogadores russos estão treinando e diferentes campeonatos. Nas aldeias das montanhas, montamos instalações esportivas com locais para futebol.

O legado da Copa do Mundo será enorme. Os campos de treinamento construídos em 2018 serão dados para a cidade e o estádio Fisht será um marco para o futebol. Esperamos que os melhores times russos venham aqui para jogar, assim como times estrangeiros. Tudo isso nos dá esperança de que o futebol em Sochi passe a ser popular. 

Sochi passou a sediar diversos eventos esportivos. Por que é tão importante ser um hib esportivo?

Depois dos Jogos Olímpicos de Inverno e da construção de nova infraestrutura, Sochi se transformou na nova capital do esporte na Rússia. Em 2014, organizamos 40 eventos nacionais e internacionais. Em 2017, foram 280. Metade deles foi do setor de esportes. Isso tudo foi graças à nova infraestrutura e à iniciativa do governo. O conceito de como usaríamos as instalações foi desenvolvido antes mesmo dos Jogos.

Portanto, agora apenas estamos mantendo isso. As instalações do parque olímpico recebem atletas 24 horas por dia, sete dias por semana. As instalações na montanha se transformaram em um resort ecológico onde diferentes esportes são praticados, dependendo da estação. É importante manter isso e multiplicar. Afinal de contas, torcedores que vem para Sochi são nossos potenciais turistas no futuro.

Ao todo, US$ 51 bilhões (R$ 179 bilhões) foram gastos. Valeu a pena? Alguns apontam para a corrupção. Na avaliação do senhor, foi um evento limpo?

Durante a preparação para a Olimpíada, a prefeitura enfrentou dois desafios: não parar a operação de instalações essenciais e melhorar as zonas urbanas. Doze mil instalações públicas e privadas foram mantidas, 1,4 mil instalações de infraestrutura urbana foram mantidas para atender às exigências. Conseguimos criar um ambiente favorável para receber visitantes e recebemos boas respostas de membros do COI, atletas e turistas.

Quanto ao lado financeiro, sim, muito dinheiro foi gasto. Mas cerca de 300 novas instalações foram construídas em Sochi. O resort ganhou mais de 360 quilômetros de estradas e pontes, além de 22 túneis e 54 pontes ferroviárias e 200 quilômetros de linhas de trem. Quase 500 quilômetros de gasodutos foram colocados em Sochi. Quatro centrais elétricas e uma estação de energia, além de 550 quilômetros de linhas elétricas foram instaladas. Novos centros de tratamento de esgoto foram feitos. Mais de 40 novos hotéis foram feitos, com 24 mil quartos foram construídos. Mais de mil prédios passaram por obras e mais de 60 instituições de educação, saúde, cultura e esportes foram feitos ou reformados.

Agora, temos dois portos, várias estações de trem e um novo terminal de aeroporto. O legado para nossos cidadãos foi enorme. Agora, em sua opinião, vale à pena ou não? Eu poderia continuar a listar as instalações que surgiram em Sochi. Mas vou dizer apenas uma coisa: em apenas cinco anos, a Rússia construiu uma nova cidade e esse processo envolveu um enorme volume de recursos financeiros e humanos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.