Basílio não se importa em perder vaga

Assim que tomou conhecimento do fim do seqüestro da mãe de Robinho, o atacante Basílio, que herdara a camisa 7, procurou o técnico Vanderlei Luxemburgo. "Fui falar que estava feliz pela volta do Robinho e que poderia escalá-lo no meu lugar sem problema, já que ele era o titular e saiu do time por um motivo que ninguém gostaria de passar", disse Basílio. "E fiz isso não porque quero aparecer, mas porque quero é ser campeão."Luxemburgo, por sua vez, disse que nem se assustou com a atitude do jogador. "Basílio tem bastante caráter. Nem poderia esperar outra coisa dele", afirmou o técnico. "O que o Basílio me contou foi que queria ser campeão, independentemente de ser titular ou não. Isso mostra que o grupo está coeso, unido em torno do objetivo maior, que é o título."O treinador do Santos fez questão que todos soubessem do ato. Tanto que abriu o jogo para a imprensa logo de cara, contando a história sem sequer ter sido questionado sobre a reação de Basílio. Antes, já havia feito uma "brincadeirinha" com o atacante. "Dei o colete de titular para o Basílio, sabia o que tinha de ser feito. E aí ele repassou o colete para o Robinho. Foi uma brincadeirinha que o Basílio entendeu e gostou", contou Luxemburgo. "O Basílio fez isso porque, no fundo, sabe da importância que tem para o grupo. Afinal, não se ganha um título só com 11 titulares, mas sim com um elenco inteiro."A importância de Basílio para o Santos realmente não se discute. Mesmo sendo reserva na maior parte do Campeonato Brasileiro, marcou mais gols do que muitas estrelas de outras equipes. No total, fez 15, um a mais, por exemplo, que Fred, goleador do Cruzeiro, e dois a mais que Fernandão, do Inter.Basílio sabe muito bem que se entrasse como titular e permanecesse os 90 minutos de jogo em campo teria chances bem maiores de se consagrar como herói do título. Ficando no banco, sequer sairá na foto do time campeão, com os 11 titulares posados antes do jogo. E jura que nem liga. "O que quero, e muito, é ser campeão. Se vou fazer um gol, não importa."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.