Batistuta é reverenciado na Argentina

Depois de ter seu contrato rescindido pelo clube Al-Arabi, do Catar, no sábado, em razão de sucessivas lesões que sofreu este ano, e anunciado sua aposentadoria em definitivo dos gramados no domingo, o atacante Gabriel Batistuta, maior artilheiro da seleção da Argentina, foi homenageado nesta segunda-feira por toda a imprensa local. Aos 36 anos, o goleador foi lembrado pelos gols marcados pela equipe nacional e por ser um dos mais queridos da era moderna, depois de Diego Maradona. ?Obrigado por tanto gol?, ?A retirada de um craque? e ?A despedida do senhor gol? são algumas das manchetes dos principais jornais do país.?Choram os arcos, o gol perdeu um de seus filhos prediletos?, anuncia o diário La Nación, enquanto registra a aposentadoria do astro. ?Se vai o apelido de gol, o símbolo da última etapa da seleção, se fecham os arcos ao menos até que o luto permaneça?. O Página 12 também rende sua homenagem ao atacante: ?Se enchia a boca desse aroma redondo de gol quando acabava de fazer tremer as arquibancadas. A maleabilidade não foi seu forte mas, o que importa então! ?Se foi o Batigol?, diz o La Prensa ao mesmo tempo que assinala o fim de um capítulo transcendente do futebol argentino.Depois de anunciar sua aposentadoria no canal 7 da Argentina, seu empresário Settimio Aloisio falou à imprensa. ?Gabriel perdeu o entusiasmo e é preferível que deixe agora, antes que o futebol o deixe?, disse.Batistuta disputou pela seleção argentina 78 partidas desde 1991, incluindo os Mundiais de 94 (Estados Unidos), 98 (França) e 2002 (Coréia-Japão), e marcou 56 gols. Passou pelo Newell?s Old Boys, River Plate, Boca Juniors, Fiorentina, Roma e Inter de Milão. Em sua carreira marcou o total de 355 gols.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.