Divulgação
Divulgação

Edgardo Bauza admite ter sonho de dirigir a seleção da Argentina

Técnico do São Paulo se solidariza com Martino

Ciro Campos, Estadão Conteúdo

05 de julho de 2016 | 20h49

A saída de Gerardo "Tata" Martino do cargo de técnico da Argentina fez o treinador do São Paulo, Edgardo Bauza, revelar que sonha em assumir a equipe do seu país no futuro. Nesta terça-feira, o comandante do time do Morumbi admitiu que pensa na possibilidade de no futuro encarar o desafio, embora tenha demonstrado frustração pela notícia sobre o colega.

"Isso me causa uma tristeza. Eu o conheço como pessoa. Como técnico, não preciso falar dele. Sua trajetória fala por si. Fico triste pela renúncia dele, até por todos os inconvenientes que teve. Isso o impediu de trabalhar da melhor maneira", comentou Bauza. Martino assumiu a seleção depois da Copa do Mundo de 2014 e enfrentou problemas de organização na Associação Argentina de Futebol (AFA).

Os dois técnicos são da cidade de Rosário e chegaram a se enfrentar como jogadores no clássico local. Bauza fez toda a carreira como zagueiro do Rosário Central, enquanto Martino atuou como meia do Newell's Old Boys, quando inclusive foi vice-campeão da Copa Libertadores em 1992, ao perder a decisão para o São Paulo.

Bauza contou que no futuro gostaria de ocupar o cargo deixado nesta terça por Martino. "Todo o técnico sonha em dirigir a seleção do seu país. Mas por enquanto tenho a cabeça somente no Atlético Nacional, que já me dá muito trabalho", afirmou o treinador sobre o confronto pela semifinal da Copa Libertadores.

Pela seleção argentina o ex-zagueiro Bauza integrou o grupo que disputou a Copa de 1990, na Itália. O então defensor não chegou a atuar nas partidas. "Aconteceram coisas ruins na seleção argentina que forçaram Martino a tomar essa decisão. Não posso opinar sobre isso, mas sempre me dá tristeza quando um técnico interrompe o seu trabalho", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.