Bauza brinca com pênaltis perdidos no São Paulo: 'Quase um recorde'

O São Paulo voltou a marcar gol de pênalti nesta terça-feira, mas não saiu satisfeito. O time que já tinha perdido cinco cobranças no ano teve outras duas a favor na vitória por 6 a 0 sobre o Trujillanos, pela Copa Libertadores, no Estádio do Morumbi, e converteu diretamente apenas uma. O técnico Edgardo Bauza se disse aliviado porque pelo menos um gol saiu e brincou que a equipe estava quase entrando no Guinness, o Livro dos Recordes, pelo excesso de erros.

Ciro Campos, Estadão Conteúdo

06 de abril de 2016 | 10h05

Contra a equipe venezuelana o árbitro marcou dois pênaltis no segundo tempo. No primeiro, Calleri converteu. No outro, o argentino chutou para a defesa do goleiro Pérez e só completou para o gol no rebote. "Queria que o time acertasse logo um pênalti. Estávamos quase chegando a um recorde no Guinness de tanto perder cobranças", brinco o técnico na entrevista coletiva após a vitória.

Ao todo o São Paulo teve oito pênaltis no ano, com apenas dois convertidos. Embora as duas cobranças tenham propiciado gols contra o Trujillanos, a equipe continua com um aproveitamento ruim em 2016. A partir desta terça-feira a equipe passou a ter um cobrador oficial, enquanto nas partidas anteriores havia um rodízio de quem era o responsável por bater.

"Na conversa antes do jogo designei o Calleri como batedor. Caso ele não esteja em campo, será o Ganso. Por sorte, hoje fizemos os gols. O Calleri bateu bem as duas cobranças", comentou Bauza.

No jogo anterior, contra o Oeste, pelo Campeonato Paulista, o zagueiro Maicon tinha perdido um pênalti, defendido pelo goleiro. Os outros erros em penalidades foram cometidos por Ganso, Calleri e Michel Bastos (duas vezes).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.