Érico Leonan|Divulgação
Érico Leonan|Divulgação

Bauza: 'Vamos ter que aguentar a pressão do The Strongest'

Técnico do São Paulo alerta para riscos em decisão na Libertadores

O Estado de S. Paulo

20 de abril de 2016 | 20h24

O técnico Edgardo Bauza, do São Paulo, explicou nesta quarta-feira que a chave para o time se classificar para as oitavas de final da Copa Libertadores será a paciência em suportar a pressão adversária. A equipe enfrenta na quinta-feira o The Strongest, em La Paz, e caso segure o empate, estará classificada para as oitavas de final da competição.

"A nossa equipe está bem e temos que aguentar a pressão deles, principalmente no primeiro tempo, porque será um jogo duro e difícil. Vamos tratar de vencer a partida e deixar a Bolívia com a classificação, porque esta é a nossa meta", disse Bauza ao site oficial do clube. O argentino tem como técnico dois títulos da Libertadores, um em 2014 com o San Lorenzo e outro em 2008, pela LDU, de Quito.

No trabalho com o time equatoriano o treinador vivenciou como se favorecer da altitude. A capital do país fica a 2,8 mil metros acima do nível do mar, enquanto La Paz está a 3,6 mil metros. Em condições como essas, as equipes mandantes costumam pressionar bastante os adversários, para se aproveitar do ar rarefeito, da velocidade da bola e de possíveis limitações físicas aos jogadores pela baixa quantidade de oxigênio.

Preocupada com o desgaste, a comissão técnica do São Paulo somente vai para La Paz horas antes do jogo. "Esperamos dar conta da partida, porque o The Strongest jogará com intensidade e tentará impor o ritmo de jogo. Temos que tratar de minimizar isso e fazer com que isso não nos complique na partida", explicou o treinador.

O time chegou na tarde desta quarta-feira em Santa Cruz de la Sierra, cidade que fica apenas a 400 metros acima do nível do mar. No aeroporto local, os jogadores foram recebidos por alguns torcedores bolivianos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.