Rafael Marchante/REUTERS
Rafael Marchante/REUTERS

'Bayern foi melhor do que a Alemanha no 7 a 1 contra o Brasil', diz Müller

Jogador afirma que equipe dominou de 'forma brutal' o Barcelona na Liga dos Campeões

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de agosto de 2020 | 19h03

Thomas Müller, autor de dois gols no histórico 8 a 2 do Bayern de Munique contra o Barcelona, nas quartas de final da Liga dos Campeões, nesta sexta-feira, considerou que seu clube foi melhor nesta partida do que até mesmo a seleção alemã na goleada por 7 a 1 sobre o Brasil nas semifinais da Copa do Mundo de 2014.

“É uma noite muito especial, a forma como jogamos tem sido muito especial. No 7  a 1 contra o Brasil, não tínhamos tanto controle. Estávamos bem sim, mas esta noite fomos dominadores de forma brutal”, disse Müller à Sky Germany. “Não deixamos espaço para os seus meio-campistas. Queríamos dominar desde o primeiro minuto e fizemos um ótimo primeiro tempo."

Müller, no entanto, tentou diminuir a euforia, ciente de que a semifinal contra Manchester City ou Lyon não será fácil. “O próximo jogo começa 0 a 0 e as equipes, logicamente, vão melhorando à medida que avançam”, disse “Antes deste jogo já tínhamos grande confiança em nós próprios, mas também sabemos que não podemos eliminar nenhum rival se não atingirmos os nossos limites.”

O meio-campista Leon Goretzka também comemorou a brilhante classificação para as semifinais. “Marcamos gols como se estivéssemos em um sonho. Estamos eufóricos, é evidente, isso é algo muito especial. Mas, a partir de amanhã, temos de nos concentrar novamente”, disse.

Para o zagueiro Joshua Kimmich, autor de um dos gols do Bayern, o que aconteceu nesta sexta-feira é “difícil de acreditar”. “Estivemos totalmente concentrados desde o primeiro minuto. O Barça teve duas ou três boas oportunidades no início, mas jogamos no ataque, com coragem e no final é um resultado incrível.” / COM AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.