Bebeto convence Levir a ficar no Botafogo

O Campeonato Brasileiro nem bem começou e o Botafogo já está em crise. Menos de 24 horas depois da estréia, o clube teve os muros da sua sede pichados e o técnico Levir Culpi chegou a entregar o cargo. Mas ele mudou de opinião após uma conversa tensa com o presidente Bebeto de Freitas. Tudo por causa da goleada sofrida para o Goiás, por 4 a 1, na quarta-feira, em pleno Caio Martins.A reunião de Levir e Bebeto durou várias horas e só terminou na madrugada desta quinta-feira. Juntos, eles decidiram pela continuidade do treinador e do trabalho que levou o Botafogo de volta à primeira divisão do Brasileiro.Na manhã desta quinta-feira, funcionários do clube agiram rápido e limparam os muros pichados na sede de General Severiano. Embora a derrota tenha aumentando ainda mais a insatisfação dos torcedores com o trabalho de Levir Culpi, o presidente do Botafogo continua confiando inteiramente no treinador, reafirmando que gostaria de tê-lo ao seu lado até o fim de 2005, quando termina seu mandato."É claro que ninguém gosta de perder. Temos muito a melhorar. No esporte, os atletas sempre precisam provar algo em cada jogo", disse Bebeto, visivelmente irritado com as pichações na sede. "O torcedor tem todo o direito de protestar. O que não admito é envolver o patrimônio nesta história." O dirigente fez questão de frisar que o Botafogo vai crescer no Brasileiro. "Foi apenas a primeira partida. Ainda nos restam 45. Não tenho a menor dúvida de que vamos mudar o quadro", garantiu Bebeto. O problema é que neste domingo o time tem um compromisso complicado: enfrenta o Santos, na Vila Belmiro.Bebeto negou que os atletas estejam insatisfeitos com atrasos de salário ou com o não pagamento da premiação pelo segundo lugar na Série B, em 2003. "É claro que isso atrapalha um pouco. Porém, é um fato comum em todos os clubes brasileiros", defendeu-se o dirigente, ressaltando que se algum jogador quiser deixar o Botafogo por causa disso é só conversar com ele.Levir falou rapidamente com a imprensa. Disse que vai investir no time e procurar os problemas para, assim, solucioná-los. Deixou claro, no entanto, que fará alterações na equipe titular. Os atacantes Luizão e Almir devem começar a partida com o Santos. O treinador também voltou a falar em dar um "choque" no elenco. "É preciso que os atletas mostrem atitude dentro de campo.Somente desta maneira vamos reverter a situação ruim." Levir deixou clara a preocupação com a possibilidade de perder o cargo no Botafogo. "Não é nada que me tire do sério, mas não estamos conseguindo os resultados. E no Brasil, as chances de um técnico ser demitido são sempre muito grandes", admitiu. Segundo ele, o contrato com o clube é verbal e não existe uma cláusula rescisória.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.