Giovani Chiossi/Divulgação
Giovani Chiossi/Divulgação

'Beira-Rio pode perder a Copa', diz presidente do Inter

Risco está ligado às estruturas temporárias do estádio, que custarão R$ 30 milhões

Elder Ogliari, O Estado de S. Paulo

14 de fevereiro de 2014 | 17h57

PORTO ALEGRE - O presidente do Internacional, Giovanni Luigi, admitiu nesta sexta-feira que Porto Alegre pode ficar sem jogos da Copa do Mundo se o impasse sobre a responsabilidade pelas estruturas complementares ao estádio Beira-Rio não for resolvido a tempo. "Se não encontrarmos um denominador comum, existe o risco, sim, e não é pequeno", afirmou.

A quatro meses do início da competição, não haveria nem tempo para uma eventual substituição do Beira-Rio pela Arena do Grêmio. O estádio tricolor ainda não está com todas as suas vias de acesso prontas e dependeria dos mesmos gastos que o Internacional não quer fazer no entorno do Beira-Rio.

O Internacional entende que por já estar cedendo o Beira-Rio e mais seu centro de eventos, edifício-garagem e ginásio Gigantinho sem cobrança de aluguel não deve gastar os R$ 41 milhões previstos em instalações e equipamentos para áreas de mídia, transmissão dos jogos, recepção de torcedores e voluntários. "Entendemos que a montagem disso não é nosso papel", reitera Luigi, que diz estar negociando uma solução com a prefeitura e o governo do Estado. "Essa é uma responsabilidade de toda a sociedade gaúcha", ressalta.

Em nota, a prefeitura confirmou que está conversando com o clube e o governo do Estado para solucionar o impasse. Mas, ao mesmo tempo, adverte que "contratualmente, a obrigação sobre as (estruturas) temporárias é do detentor do estádio, o Sport Club Internacional."

A prefeitura também destaca que um trabalho diário de técnicos do município, Estado e Comitê Organizador Local (COL) conseguiu reduzir o orçamento original, estimado em R$ 79 milhões, para os R$ 41 milhões atuais, com a expectativa ainda de conseguir fazê-lo cair para R$ 30 milhões com novos cortes. O Comitê Gestor da Copa pelo governo estadual não se manifestou até o fim da tarde desta sexta-feira.

O secretário municipal extraordinário da Copa 2014, João Bosco Vaz, lembrou também que a demora da Justiça para julgar ações movidas pelo Ministério Público Federal em setembro do ano passado, pedindo ressarcimento da Fifa pelos gastos com estruturas complementares na Copa das Confederações e para evitar que Estados e municípios paguem por montagens semelhantes na Copa do Mundo "está criando uma insegurança jurídica muito grande, atrapalhando os encaminhamentos necessários para resolver esse impasse."

Os procuradores da República que moveram a ação entendem que as estruturas complementares, que são desmontadas depois dos jogos, não podem ser bancadas por dinheiro público porque não deixam um benefício para a cidade, como as obras de mobilidade urbana. O processo corre na 8ª Vara Federal de Brasília e o resultado do julgamento pode sinalizar a todas as sedes da Copa do Mundo se podem gastar com as estruturas temporárias ou não.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.