Arquivo/Athletico-PR
Arquivo/Athletico-PR

Bellini, Djalma Santos e Kléberson: os campeões mundiais que defenderam o Athletico-PR

Equipe teve no passado jogadores com currículo vitorioso na seleção brasileira

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

10 de setembro de 2019 | 11h30
Atualizado 10 de setembro de 2019 | 16h05

O Athletico-PR ainda carece de ídolos capazes de arrastar mais torcedores ao estádio. Mas já contou em sua história com os serviços de jogadores campeões mundiais pela seleção brasileira. Nomes relevantes do futebol nacional como Bellini, Djalma Santos e Kléberson têm nos respectivos currículos títulos tanto em Copas do Mundo quanto em campanhas importantes pela equipe rubro-negra.

A ligação do time com grandes ídolos do futebol naiconal começou para valer na década de 1960, mais precisamente no ano de 1968. Após temporadas sem títulos estaduais, a diretoria foi em busca de jogadores experientes e buscou reforços no futebol paulista. O zagueiro Bellini e o lateral Djalma Santos vieram com a bagagem de dois títulos de Copas do Mundo pela seleção e carreiras profissionais de quase 20 anos.

Os dois encerraram a trajetória como profissionais no Athletico-PR e tiveram passagens importantes pelo futebol do Estado. Bellini se aposentou em 1969, um ano antes de o time comemorar o fim de 12 temporadas de jejum de títulos no Campeonato Paranaense. Quem teve a oportunidade de dar a volta olímpica foi Djalma Santos, que jogou até os 43 anos, marca incomum na época.

Nos anos 2000, o Athletico-PR teve a honra de colocar um jogador na Copa do Mundo. O meia Kléberson foi chamado pelo técnico Luiz Felipe Scolari para disputar o Mundial de 2002, na Ásia, e terminou como campeão e um dos destaques daquela equipe. Foi a última conquista do Brasil, o penta. O jogador jovem, então com 23 anos, havia acabado de ser campeão brasileiro com o time rubro-negro no ano anterior.

Kléberson deixou o time em 2003 para se transferir ao Manchester United, da Inglaterra. O meia chegou ao Athletico-PR graças a uma parceria firmada entre o clube e o PSTC, time localizado em Londrina, especializado em categorias de base e em revelar talentos. Pelo mesmo caminho de Kléberson trilharam outros nomes importantes como Jadson, Dagoberto e Fernandinho, todos com passagem pelo Athletico-PR antes de se destacarem em outras equipes.

DUPLAS

Os torcedores mais antigos também se lembram da campanha no Brasileiro de 1983. A equipe foi semifinalista da competição liderada pelos gols do chamado Casal 20, uma dupla afinada de ataque formada por Washington e Assis. O time só foi eliminado na competição pelo Flamengo, de Zico. Logo depois os atacantes repetiram a parceria histórica e fizeram sucesso no Fluminense.

Na década de 1990, a grande dupla de ataque foi Oséas e Paulo Rink. Os dois se destacaram no título da Série B de 1995 e tiveram carreiras de sucesso nos anos seguintes. Rink chegou a defender a seleção da Alemanha na Eurocopa de 2000, enquanto o parceiro ganhou a Libertadores de 1999 pelo Palmeiras.

Atualmente, o Athletico-PR aposta mais no conjunto do seu time do que em craques propriamente ditos. O técnico Tiago Nunes tem feito bom trabalho. Nikão, Marco Ruben e Bruno Guimarães são os destaques da equipe de Curitiba.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.