Nilton Fukuda/AE - 8/4/2010
Nilton Fukuda/AE - 8/4/2010

Belluzzo diz que Palmeiras está melhor do que em 2009

Presidente não perde as esperanças e afirma que alviverde brigará pelo título do Campeonato Brasileiro

Entrevista com

DANIEL AKSTEIN BATISTA E WAGNER VILARON, O Estado de S. Paulo e Jornal da Tarde

11 de abril de 2010 | 10h15

Luiz Gonzaga Belluzzo não perde as esperanças. Apesar da péssima fase do Palmeiras neste ano, o presidente acredita que o time está preparado para a disputa do Campeonato Brasileiro e vai brigar forte pelo título. Em entrevista ao Estado, o dirigente prometeu fugir da reeleição e disse que o elenco atual é melhor que o de 2009.

"Posso afirmar que temos um elenco melhor que o do ano passado", declarou Belluzzo, que aposta nos reforços para o início do Brasileirão. "Não entendo que o Palmeiras vá entrar no Campeonato Brasileiro tendo de se preocupar com o rebaixamento. Com os reforços que chegarão, nosso grupo se tornará mais competitivo", prevê.

O presidente, porém, admite que o time não passa por uma boa fase. "Claro que não está bem. Terminamos muito mal o ano passado e estamos tendo trabalho para nos acertar nesta temporada. Mas o trabalho está sendo feito com cuidado. Já detectamos os problemas da equipe e nos movimentamos para solucioná-los", avisa.

Para escapar da má fase e se sobressair no nacional, Belluzzo aposta no técnico Antônio Carlos. "É um profissional que conhece bem futebol, identifica com facilidade o potencial e as características de um bom atleta e tem pontos de vista claros sobre táticas e estratégias de jogo", elogia, antes de minimizar a responsabilidade do novo treinador sobre os resultados da equipe no Paulistão.

"Nesses últimos jogos não dá muito pra falar do trabalho dele, o time jogou com muitos reservas e sem motivação (já estava eliminado no Estadual)", completa, descartando qualquer possibilidade de demitir o treinador em caso de queda na Copa do Brasil.

Em relação ao seu futuro no clube, Belluzzo praticamente descartou qualquer chance de tentar a reeleição. "Não tenho a menor intenção de me candidatar a mais um mandato. Entendo que tenhamos dois nomes que poderiam concorrer: Paulo Nobre e Antonio Augusto Pompeu de Toledo [presidente do Conselho de Orientação Fiscal]", afirma, revelando possíveis substitutos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.