Shizuo Kambayashi/AP Photo
Shizuo Kambayashi/AP Photo

Bem humorado, Neymar espera levar menos pancadas

Atacante fala sobre duelo contra marcadores estrangeiros e Muricy brinca sobre trabalhar na Europa

Luis Augusto Monaco, estadão.com.br

09 de dezembro de 2011 | 08h46

NAGOYA - Pouco mais de 24 horas depois da chegada ao Japão a delegação do Santos teve seu primeiro contato oficial com a imprensa. Numa coletiva que durou 45 minutos no fim da manhã, Muricy Ramalho, Neymar e Elano foram os escalados para falar com os jornalistas - Ganso também deveria ter participado, mas estava com dor de estômago e ficou no quarto.

O tom da coletiva foi descontraído, com respostas bem-humoradas. Quando perguntaram a Neymar se ele esperava ter mais facilidade porque teoricamente deve apanhar menos do que apanha no Brasil, ele respondeu: "Em jogos de uma competição desse porte não existe facilidade. Mas se levar menos pancada garanto que meu corpo vai ficar muito feliz."

Num outro momento, um japonês pediu para Neymar e Elano falarem sobre as qualidades de Muricy. Antes que os jogadores começassem a responder, o treinador disse que os tiraria do time se não ouvisse só coisas boas.

Muricy também provocou risadas quando falou sobre a diferença de ser treinador no Brasil e na Europa. Fez muitos elogios a Guardiola e Mourinho, mas afirmou que para ganhar uma nota 10 eles precisam trabalhar e ganhar um título no Brasil. "Na Europa os técnicos têm muito tempo para trabalhar. O do Manchester está há 25 anos no cargo, o do Arsenal há 15. No Brasil, se for campeão num dia e não ganhar o jogo seguinte o cara pode perder o emprego. Por isso que eu digo que o técnico para ser considerado o melhor do mundo precisa mostrar sua qualidade no Brasil."

A entrevista também foi marcada por elogios a todos os possíveis adversários e seus jogadores. Muricy, que viveu seis anos no México quando era jogador, afagou a imprensa do país ao dizer que sabe muito bem da tradição vencedora do Monterrey.

Neymar repetiu pela enésima vez que Messi é o melhor do mundo e que seu objetivo no Mundial é ajudar o time a ser campeão, e não se exibir individualmente para mostrar ao mundo do que é capaz.

Depois do almoço os jogadores puderam sair para passear pela cidade. Alguns preferiram caminhar por perto do hotel, como Danilo, Léo, Pará e Ibson.

Neymar, Ganso e Elano saíram de táxi acompanhados por um assessor de imprensa do Santos. E atrás deles seguiu outro táxi, em que estavam os seguranças que tratariam de manter os fãs à distância. Como no Brasil, por aqui Neymar também é um superstar. E toda vez que aparece no saguão do hotel provoca corre-corre.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.