Benitez não se abala com contrato curto no Chelsea

Contratado no dia anterior para substituir o demitido italiano Roberto di Matteo, o técnico espanhol Rafa Benitez assumiu nesta quinta-feira o comando do Chelsea. E garantiu que não se abala com o compromisso curto assinado com o clube inglês, até o final da atual temporada, período em que será testado no cargo.

AE, Agência Estado

22 de novembro de 2012 | 20h46

"Não me preocupo com o contrato curto. Minha preocupação é ganhar todos os jogos. Vamos ver o que acontece, em sete meses podemos conquistar alguns títulos", afirmou Benitez, que estava desempregado há quase dois anos, desde que foi demitido da Inter de Milão após ficar apenas seis meses no cargo.

As especulações na imprensa inglesa indicam que Benitez foi contratado apenas para tapar um buraco. O sonho do dono do Chelsea, o bilionário russo Roman

Abramovich, seria acertar com o técnico espanhol Pep Guardiola, que deixou o Barcelona em maio, para assumir o time na próxima temporada.

"No momento, eu estou aqui, estou empregado", disse Benitez, mostrando estar empolgado com "esse grande desafio" e por voltar ao futebol inglês (fez sucesso no Liverpool). "Estava esperando essa oportunidade. Vencer jogos é a garantia para tudo. E se você ganhar vários em sequência, conquista títulos."

O desafio de Benitez começa já no domingo, quando enfrenta o líder Manchester City pelo Campeonato Inglês - o Chelsea está em terceiro lugar, quatro pontos atrás do primeiro colocado. Na Liga dos Campeões, o time volta a jogar em dezembro, em busca de uma improvável classificação para as oitavas de final.

O Chelsea também terá em dezembro a disputa do Mundial de Clubes, quando é favorito para fazer uma eventual final contra o Corinthians. E Benitez já ressaltou a importância do torneio do Japão, porque é a primeira chance que terá de ser campeão e, assim, tentar se manter na próxima temporada.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolChelseaRafa Benitez

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.