Reuters/Alberto Lingria
Reuters/Alberto Lingria

Benzema vai continuar na seleção francesa mesmo se receber pena em caso de chantagem, diz federação

Camisa 9 do Real Madrid é acusado de ter feito parte da tentativa de extorsão a Valbuena através de um vídeo com conteúdo sexual

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de novembro de 2021 | 11h32

Karim Benzema saberá daqui a duas semanas a sua sentença no caso envolvendo Mathieu Valbuena, no qual ele é acusado de cumplicidade em chantagem contra o ex-companheiro de seleção francesa. Mesmo que seja punido, o atacante não será proibido de defender as cores da França, de acordo com o presidente da Federação Francesa de Futebol, Noël Le Graët.

O camisa 9 do Real Madrid é acusado de ter feito parte da tentativa de chantagem a Valbuena através de um vídeo com conteúdo sexual, em delito que teria outros envolvidos, também respondendo na Justiça da França. Ele alega inocência e até ficou "surpreso" com o pedido de dez meses de prisão.

"O treinador continuará sendo o responsável pela convocação e Benzema não será excluído por causa de uma eventual sanção judicial. Aconteça o que acontecer, a sua presença ou ausência dependerá apenas dos seus méritos esportivos", garantiu ao jornal Le Parisien. "O Didier (Deschamps) que tem de pensar se, do ponto de vista esportivo, ele estará apto para jogar nos Bleus."

A audiência está marcada para o dia 24 de novembro, em Paris. O Tribunal Correcional de Versalhes vai dar o veredicto se aceitará o pedido da Procuradoria Francesa, que exige pena de dez meses de prisão para o atacante, mas com cumprimento suspenso, além de multa de 75 mil euros (aproximadamente R$ 475 mil).

A defesa de Benzema solicita a absolvição do jogador, alegando não existirem provas materiais dos crimes dos quais ele é acusado. Antes do julgamento, ele vai defender a seleção francesa neste sábado, em Paris, contra o Casaquistão, e na visita à Finlândia, dia 16, pelas rodadas finais da fase de grupos das Eliminatórias Europeias.

Benzema é nome certo entre os 11 jogadores de Deschamps, que até vem fazendo campanha para o atacante ganhar a Bola de Ouro como melhor da temporada. "Não é porque eu seja o treinador ou porque ele é francês, mas pelo que fez pelo seu clube e pela seleção francesa este ano, ele é merecedor", disse o técnico. A França ganhou a Copa do Mundo de 2018, na Rússia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.