Berlusconi critica contratação de Mancini pelo Milan

Enquanto luta para contornar a crise em que entrou após acumular o terceiro jogo seguido sem vitória, o Milan ainda convive com as críticas do seu polêmico proprietário e primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, que agora resolveu questionar a contratação do meia Mancini.

AE-AP, Agencia Estado

04 de fevereiro de 2010 | 14h19

A chegada do brasileiro, que acaba de deixar a rival Inter de Milão e foi apresentado oficialmente pelo vice-presidente do Milan, Adriano Galliani, não atende às necessidades ofensivas que o time tem hoje, na opinião do dirigente. "Ele (Mancini) ficou inativo por dois anos e é um criador de jogadas. Nós precisamos de alguém que marque gols, um finalizador", afirmou Berlusconi.

Ao saber dos comentários de Berlusconi, Mancini encarou as críticas naturalmente, lembrando que precisará de tempo para recuperar a sua melhor condição. "Eu tenho de voltar a entrar em forma. Quando você fica sem jogar por um longo período de tempo, você tende a ganhar um pouco de peso. Mas esse é o lugar ideal para me recuperar e encontrar o meu jogo. O Milan joga com a bola no chão e com velocidade", comentou Mancini, se referindo ao fato de o time atuar dentro das suas características.

Entretanto, dando munição aos argumentos de Berlusconi, o Milan já conta com Ronaldinho Gaúcho, Seedorf e Pirlo como autênticos criadores de jogadas, fato que pode forçar Mancini a brigar por um lugar no ataque da equipe.

Depois de perder por 2 a 0 para a Inter de Milão, no clássico em que Ronaldinho Gaúcho desperdiçou um pênalti, o Milan foi eliminado pela Udinese na Copa da Itália e ficou no empate por 1 a 1 com o Livorno, no último final de semana, pelo Campeonato Italiano.

Para ter sucesso no Milan, agora sob o comando do brasileiro Leonardo, Mancini ressaltou que precisará receber mais chances do que tinha na Inter de Milão, na qual era dirigido pelo técnico português José Mourinho. "Eu tive um ano complicado com a Inter e joguei fora outros seis meses. Durante o verão, Mourinho disse para eu ficar no clube porque ele acreditava em mim, mas eu raramente jogava e às vezes sequer era relacionado para as partidas", lamentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.