Bicampeão mundial, Gylmar morre aos 83 anos

Goleiro defendeu Corinthians e Santos e estava internado por causa de um enfarte

AE, Agência Estado

25 de agosto de 2013 | 19h08

SÃO PAULO - Morreu neste domingo, em São Paulo, aos 83 anos, o ex-goleiro Gylmar dos Santos Neves. O ex-jogador, bicampeão do mundo pela seleção brasileira em 1958 e 1962, estava internado no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, com um quadro de "infecção sistêmica". Os médicos já haviam avisado a família, na sexta-feira, que a situação de saúde de Gylmar era irreversível.

O ex-goleiro estava internado desde o dia 8 deste mês devido a uma infecção urinária e a um enfarte, de acordo com os médicos. Segundo boletim médico divulgado no sábado, ele já sofria de problemas decorrentes de um AVC e de insuficiência cardíaca, que deixaram sequelas em sua saúde. Gylmar nasceu em 22 de agosto de 1930, em Santos - portanto, havia completado 83 anos na última quinta-feira. Ao longo de sua carreira, defendeu, além da seleção brasileira, o Santos e o Corinthians, fazendo história em dois dos maiores clubes do futebol nacional.

Ele começou a carreira no Jabaquara, chegando ao Corinthians em 1951, como contrapeso da negociação do meia Ciciá, que defendia o time da Baixada. Naquele ano mesmo ele assumiria a posição de titular da meta alvinegra e conquistaria o título paulista. Em 10 anos de Corinthians, ganhou o Torneio Rio-São Paulo em 1952 e 1953, além dos estaduais de 1951, 1952 e 1954.

Quando os anos de seca começaram no Parque São Jorge, ele se desentendeu com a diretoria e rumou para o Santos. Chegou à Vila Belmiro em 1962, aos 32 anos, e fez parte do melhor time da história santista. Com Pelé, Pepe e Coutinho, entre outros, ganhou cinco títulos do Paulistão, três Torneios Rio-São Paulo, quatro Taças Brasil, uma vez o Robertão, duas Libertadores e dois Mundiais.

NA SELEÇÃO

Pela seleção brasileira, Gylmar fez sua estreia em 1953. Foi titular nas Copas do Mundo de 1958, 1962 e 1966, nesta última participando de apenas dois jogos e depois sendo substituído por Manga. Aposentou-se do Santos e da seleção em 1969, aos 39 anos.

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.