Bill está fora dos planos da Ponte

Dentro da política de reduzir em 15% os gastos com a folha salarial, a diretoria da Ponte Preta promete não fazer loucuras para renovar contratos de seus jogadores. Tanto é assim que, nesta quinta-feira, ficou definido que o lateral-esquerdo Bill não continuará no clube em 2005.Bill não aceitou a proposta da Ponte para manter o salário atual e garantiu ter outra oferta melhor, embora sem revelar o clube interessado. Por outro lado, está praticamente definida a permanência do volante Flávio, ex-Palmeiras. Com isso, a meta passa a ser segurar Marcus Vinícius, volante que foi capitão e líder do time durante a temporada. "Acho que falta pouco para o acerto", afirmou o próprio jogador.O diretor de futebol da Ponte, Ricardo Koyama, desmentiu que o clube estivesse atrás do volante Marcos Paulo, do Guarani, e do atacante Wágner, do Atlético Mineiro. "Seus salários são incompatíveis com nossa realidade", justificou. A média salarial da Ponte é de R$ 15 mil por jogador e sua folha de pagamento chega aos R$ 450 mil por mês. A diretoria promete buscar pelo menos cinco reforços para o técnico Nenê Santana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.