Bin Hammam diz que não ficará surpreso se for punido

O catariano Mohamed bin Hammam escreveu nesta sexta-feira no seu blog que a Fifa deverá considerá-lo culpado na acusação de suborno de eleitores durante a campanha para eleição presidencial da Fifa em que tentava suceder Joseph Blatter. Posteriormente, ele retirou sua candidatura e o suíço foi reeleito. "Nenhum de nós deve ficar completamente surpreendido se o veredicto de culpado for dado", escreveu o dirigente.

AE, Agência Estado

22 de julho de 2011 | 09h46

Bin Hammam está suspenso das atividades do futebol e pode ser receber uma eliminação vitalícia do esporte. "Se acreditarmos nas declarações feitas na imprensa por diferentes dirigentes da Fifa ou aqueles que trabalham para eles, então, apesar da fraqueza do caso contra mim, não estou confiante de que a audiência seja conduzida da maneira que qualquer um de nós gostaria. Parece provável que a Fifa já tenha tomado sua decisão há semanas".

Bin Hammam publicou o texto no mesmo dia em que o Comitê de Ética da Fifa analisa o seu caso em Zurique. O dirigente havia criticado anteriormente o modo como o processo estava sendo conduzido pela associação e também havia prometido apresentar convincentes motivos para se livrar das acusações de que teria subornado eleitores do Caribe por US$ 40 mil.

Nesta sexta-feira, Bin Hammam cogitou acionar outras esferas judiciais para provar sua inocência. "Tenha certeza, porém, que a justiça acabará por prevalecer através do Comitê de Ética da Fifa, da Corte Arbitral do Esporte ou, se necessário, através de outros tribunais ou processos judiciais nos tribunais em que todos serão iguais e privilégios especiais não serão concedidos a qualquer das partes".

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFifaMohamed bin Hammamsuborno

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.