Divulgação
Divulgação

Biografia oficial do ex-goleiro Marcos será lançada em agosto

Publicação trás revelações do ex-atleta e o que ele aprendeu com técnicos renomados, como Luxemburgo e Felipão

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2012 | 15h15

SÃO PAULO - A história de um dos maiores goleiros do futebol brasileiro e ídolo da torcida do Palmeiras vai se transformar em uma biografia autorizada pelo próprio ex-jogador. "Nunca fui Santo" conta a carreira e a vida de Marcos, o eterno São Marcos, para os palmeirenses. A obra, editada pela Universo Livros, deve ser lançada no início de agosto.

O livro foi escrito pelos jornalistas Mauro Beting, Danilo Lavieri, Marcel Alcântara e Henrique Cabral e trás revelações do ex-goleiro e o que ele aprendeu com técnicos renomados, como Felipão e Luxemburgo. E o goleiro do pentacampeonato mundial ainda faz questão de destacar um bom espaço para falar dos colegas de time e rivais, como Vampeta, Rogério Ceni e Dida. Um livro contando a história do goleiro já foi lançado, mas é uma biografia não autorizada

Alguns trechos do livro:“O pessoal lá de trás é sempre o vilão. Não importa que o ataque não marcou, que o meio-campo não pegou na intermediária. A culpa será nossa. Precisamos defender a nossa meta e nos defender fora de campo também”.

"Uma honra? Uma roubada! Vai que eu entro só para a disputa e não cato nenhum pênalti? Quem seria o responsável pela derrota? Eu! Naquela época, não tinha esse cartaz todo. Era apenas o reserva de um grande goleiro como o Velloso. Eu já tinha sido chamado para a Seleção pelo Zagallo, em 1996, depois de 18 jogos como titular. Fui reserva do Zetti em Brasil 3 x 1 Lituânia, em Teresina, em outubro. Mas só isso. Quando o Velloso se recuperara da lesão, voltara a ser o número um. Com toda razão e merecimento. Embora eu tentasse cavar uma brecha, né? A gente costumava dividir o quarto em concentração. Eu sempre deixava o ar condicionado no máximo para ver se ele pagava uma gripe para então eu poder jogar. E o Velloso nem espirro dava! Eu tive de parar com a brincadeira por que achei que iria sobrar uma pneumonia pra mim."

"Um dia a gente estava junto, no segundo andar do prédio onde morava, lá na Lapa. Tinha um cara empurrando um Monza. Estava garoando. Chamei o Zezinho para ajudar a empurrar o carro que parecia quebrado. O cara agradeceu quando o carro pegou no tranco e disse “obrigado, fica com Deus!”. A gente estava voltando para o apê quando chegou um cara correndo, dobrando a esquina: “Vocês viram um Monza passar aqui? É o meu carro que foi roubado!”.

Eu sempre tive bons reflexos: “Monza? Aqui? Não vi, não.Como eu ia falar pro cara que tinha ajudado a empurrar o carro dele que estava sendo furtado? Como eu iria saber que o cara que pedia ajuda era um ladrão?

Pelo menos era um ladrão bem educado que mandou a gente ficar com Deus."

Ficha Técnica

Livro: Nunca fui Santo

Autores: Marcos Reis e Mauro Beting

Reportagem: Danilo Lavieri, Henrique Cabral e Marcel Alcântara

Editora: Universo dos Livros

Nº de págs.: 168

Preço: R$ 39,90

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolPalmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.