Blanc despista sobre possível ida de Henry ao Paris Saint-Germain

Blanc despista sobre possível ida de Henry ao Paris Saint-Germain

Francês assinaria um contrato curto e depois passaria a integrar comissão. Arsenal e Bordeaux também o desejam em função técnica

O Estado de S. Paulo

03 de dezembro de 2014 | 10h24

Ao anunciar sua saída do New York Red Bulls na última segunda-feira, Thierry Henry abriu espaço para especulações em todo o mundo do futebol, principalmente na França. O jogador ainda não confirmou se irá se aposentar ou não, por isso, surgiram rumores sobre uma possível transferência para o Paris Saint-Germain antes de pendurar as chuteiras, assim como fez o meia David Beckham.

Laurent Blanc, que foi parceiro de Henry na seleção francesa e conquistou a Copa do Mundo de 1998, despistou sobre uma possível ida do atacante ao time parisiense. “Se ele pode jogar por seis meses no PSG como Beckham? Não pensei nisso”, afirmou. O atual treinador ainda afrmou que não se surpreenderia caso Henry decida continuar sua carreira aos 37 anos. “Ele ainda pode jogar, ele ama muito este jogo. Não sei se ele vai se aposentar ou não. Eu não ficaria surpreso se ele continuar jogando. Ele tem um grande caráter e é um grande jogador”.

A exemplo de David Beckham, Henry poderia assinar um contrato de curto prazo antes de se despedir do futebol e, depois disso, passaria a integrar o corpo técnico da equipe. A princípio, este contrato seria de seis meses a uma temporada. Entre as possibilidades após a aposentadoria, o jogador vê com bons olhos uma carreira como treinador.

Além de Laurent Blanc, quem também falou sobre Henry nesta terça-feira foi o treinador do Arsenal, Arsène Wenger. Para ele, está claro que o francês voltará ao clube em que é venerado, mas não necessariamente como jogador. "Compreendo que queira refletir sobre o que pretende fazer. É um homem deste clube. Certamente, um dia vai regressar.  Em que funções, não sei".

Wenger afirmou que Henry ainda tem condições de atuar pelos Gunners, porém, não crê que o francês opte por esta opção. "Sim, ele ainda podia ajudar em campo, mas 37 anos hoje na Premier League... Acho que ele já não vai querer isso", disse. Outro treinador que gostaria de contar com o craque em alguma função técnica é o comandante do Bordeaux, Willy Sagnol, que já admitiu que seria "um doce sonho" contar com Henry em sua comissão.

Após o anúncio de sua saída do New York Red Bulls e os rumores sobre a aposentadoria, iniciou-se uma campanha pela convocação de Thierry Henry para o amistoso da França contra o Brasil, que ocorrerá no dia 26 de março, no Stade de France. O 'coro' é capitaneado pela imprensa francesa - principalmente pelo jornal L'Équipe - que brada pelo merecimento do craque de ter uma despedida digna com a camisa azul. Com 51 gols, ele é o maior artilheiro da história da seleção francesa e é conhecido dos brasileiros por ter marcado o gol da eliminação do Brasil nas quartas-de-final da Copa de 2006.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.