Blatter admite que Copa de 2018 pode ter revisão de lances polêmicos

Blatter admite que Copa de 2018 pode ter revisão de lances polêmicos

Presidente da Fifa diz que Mundial da Rússia pode dar seguimento ao uso de tecnologias para evitar novas polêmicas durante torneio

O Estado de S. Paulo

28 de outubro de 2014 | 15h15

A cada edição da Copa do Mundo a Fifa traz um tipo novo de tecnologia para acabar com lances controversos. E para o Mundial de 2018, que ocorrerá na Rússia, o presidente da entidade, Joseph Blatter, admitiu nesta terça-feira a possibilidade dos técnicos pedirem a revisão de lances polêmicos por meio de vídeos, como ocorre no vôlei, no basquete e no futebol americano.

"Na última Copa do Mundo, nós testamos com sucesso o sistema com câmera nas traves. O Mundial de 2018 será uma oportunidade para os treinadores solicitarem assistirem vídeos dos lances em situações controversas de jogo", afirmou Blatter a jornalistas russos, em antecedência ao lançamento do logotipo oficial da Copa na Rússia.

O presidente da Fifa parabenizou os organizadores da Copa ao dizer que em comparação com o Brasil, os russos estão dentro do prazo para a realização do Mundial. "Posso dizer que em comparação com a situação do Brasil quatro anos antes do início da Copa do Mundo de 2014, a Rússia está à frente do cronograma", disse.

Polêmica constantemente levantada e que foi criticada por Louis Van Gaal durante a Copa no Brasil, a disputa entre de terceiro e quarto lugar deve continuar nas próximas edições do Mundial, de acordo com Blatter. ""O jogo para o terceiro lugar da Copa não será cancelado. Ele é verdadeiramente importante. Estes jogos são sempre uma luta tensa e divertida. Eu acho que a UEFA não vai apoiar uma iniciativa desse tipo, até porque o próprio Michel Platini ganhou uma medalha de bronze no Mundial de 1986", lembrou o mandatário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.