Blatter: clubes europeus são neocolonialistas

O presidente da Fifa, Joseph Blatter voltou a bater forte nos grandes clubes europeus. Em um artigo publicado nesta quarta-feira pelo jornal britânico ?Financial Times?, o dirigente acusou os clubes de serem ?neocolonialistas?. Ele reclamou do fato de os clubes recorrerem em excesso a jogadores estrangeiros e fez um alerta. Disse que o futebol corre o risco de ?se degenerar para um esporte movido apenas pela cobiça?.O artigo foi escrito como uma resposta à pressão do G-14 (grupo das maiores equipes da Europa) que exige compensação financeira para quando tiver de ceder jogadores para as seleções nacionais em campeonatos oficiais. Blatter afirma que o pedido teria sido feito para o entidade errada, já que o dinheiro arrecadado pela Fifa nos mundiais é distribuído, em grande parte, às federações nacionais.?Me parece doentio, senão abjeto, o modo como os clubes ricos enviam seus exploradores para fazerem compras na África, na América do Sul ou na Ásia?, escreveu.?Os principais clubes europeus funcionam cada vez mais como neocolonialistas, que pouco se importam com a herança cultural desses países. Se entregam ao saque social e econômico, subtraindo das nações em desenvolvimento seus melhores jogadores?, acrescentou. Blatter se disse ?preocupado? diante da tendência cada vez mais crescente da presença de estrangeiros em clubes europeus e, em especial, nos ingleses. ?Muitos clubes já nem podem mais ser considerados ingleses porque estão dominados por legionários estrangeiros, cuja fidelidade se vincula unicamente àquele que lhes recompense com as 30 mil, 50 mil ou 100 mil libras por semana?. O presidente da Fifa criticou duramente o desfecho do polêmico caso do zagueiro Rio Ferdinand, do Manchester United, que não compareceu a um exame de controle de doping simplesmente por ter se ?esquecido? da data e até o momento não foi penalizado. Se este tipo de comportamento persistir, diz Blatter, a Fifa precisa começar a pensar numa lei que permita até mesmo o banimento de jogadores que tenha consumido drogas ilícitas para melhorar o desempenho. O dirigente pensa, inclusive, em punições ao clube. ?Se o clube não consegue controlar seu jogador quem é que vai conseguir??, pergunta.O jogador foi advertido pelo Federação Inglesa de Futebol, mas ainda aguarda a decisão de uma audiência, que pode acontecer esta semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.