AP Photo/Dmitry Serebryakov
AP Photo/Dmitry Serebryakov

Blatter critica decisão de árbitro em jogo do Brasil em estreia na Copa

Ex-presidente da Fifa tem sido crítico ao VAR, novidade nesta Copa do Mundo

Jamil Chade, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

19 Junho 2018 | 16h14

Apesar de criticar o uso do árbitro de vídeo na Copa do Mundo, o ex-presidente da Fifa Joseph Blatter afirmou nesta terça-feira que o juiz do jogo entre Brasil e Suíça, no domingo, deveria ter solicitado uma revisão do lance do gol de empate do time europeu - a partida terminou em 1 a 1, em Rostov, pelo Grupo E.

+ Entenda como funciona o árbitro de vídeo na Copa do Mundo

+ 'Desafiando' suspensão do futebol, Joseph Blatter chega para a Copa

"Ele (o juiz) deveria ter pedido para ver o vídeo", disse. "Deveria", insistiu. O gol de Zuber abriu uma polêmica, já que o árbitro não solicitou para ver o replay, enquanto os técnicos na cabine do VAR apenas indicaram que ele deveria seguir o jogo.

Para Blatter, que por anos foi contra o uso da tecnologia no futebol, a realidade é que o VAR não é uma "solução ideal". "A única coisa que digo sobre o VAR é que ele não é ideal", disse o suíço, em Moscou.

O problema, segundo ele, é a interpretação das jogadas. "Os árbitros no VAR são sempre diferentes", disse. "E cada árbitro tem uma maneira diferente de ver o futebol. No VAR, todos os árbitros então deveriam ser os mesmos para manter as mesmas decisões. Não há uma linha só", lamentou. "Só espero que ele não seja decisivo", afirmou, alertando sobre os riscos que as decisões podem representar para os resultados nos jogos finais.

 

O suíço não poupou críticas à sua própria seleção. Segundo ele, o time dos Alpes agiu de uma forma "destrutiva" contra o Brasil, principalmente no segundo tempo.

Blatter disse também que a Copa vem mostrando "jogos muito interessantes". "Às vezes, os times menores têm jogado bastante fechado, já que não querer perder e estão pensando em passar de fase", disse. "São três jogos e eles sempre tem expectativa de passar. Mas quando for para as oitavas de final, veremos muita ação", disse.

Sobre seus planos, ele indicou que irá ao jogo de Portugal contra Marrocos nesta quarta-feira e que ainda vai para São Petersburgo "ver a Costa Rica ganhar do Brasil".

Blatter não tem um encontro confirmado com Putin. Mas acredita que os organizadores ainda irão estabelecer quando isso poderia ocorrer.

Quanto à qualidade da organização russa, Blatter admitiu que tem sido uma "surpresa" a capacidade de Moscou em fazer o Mundial funcionar de forma suave. "O ambiente é bom na Rússia e em todo o mundo", completou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.