Arnd Wiegmann/Reuters
Arnd Wiegmann/Reuters

Blatter revela ameaça de Platini: 'Ou renuncia ou vai para prisão'

Presidente da Fifa diz que francês o intimidou em Zurique, em maio

Estadão Conteúdo

15 Agosto 2015 | 15h16

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, afirmou neste sábado que foi ameaçado pelo francês Michel Platini, atual presidente da Uefa e candidato a suceder o suíço na entidade máxima do futebol, durante o congresso realizado no fim de maio, em Zurique. O francês teria dito que Blatter iria para a prisão caso não desistisse de disputar as eleições naquele congresso.

Blatter fez a afirmação ao jornal holandês De volkskrant, para o qual concedeu longa entrevista. Ao ser questionado sobre sua relação com Platini, o suíço afirmou ter recebido a ameaça através do seu irmão, Peter Blatter.

"Durante um almoço, Platini sentou ao lado do meu irmão na mesa e disse: ''Diga a Sepp [apelido de Blatter] para desistir das eleições ou ele será preso''", disse o presidente da Fifa. Blatter disse ainda que só ficou sabendo desta conversa depois das eleições, vencidas por ele no dia 29 de maio.

Perguntado sobre os motivos para Platini fazer tal ameaça, Blatter desconversou. "Vocês terão que perguntar a ele sobre isso. Eu não sei o que se passa na cabeça dele", declarou, antes de garantir que não anunciou sua renúncia por causa das supostas ameaças de Platini.

"Houve um tempo em que minha relação com ele era de pai e filho. Ele trabalhou para mim durante quatro anos na Fifa, depois da Copa do Mundo de 1998, na França. Juntos, preparamos sua entrada na diretoria da Uefa e da Fifa. Em 2007, ele também se tornou presidente da Uefa com o meu apoio", disse Blatter, que afirmou não saber a razão da mudança de comportamento do francês.

Blatter também comentou sobre seu surpreendente anúncio de que deixaria a presidência da Fifa, apenas quatro dias após ser reeleito, no início de junho. O suíço disse que decidiu fazer o anúncio motivado por algo que aconteceu nos bastidores. Mas se recusou a revelar o que se passou na cúpula da Fifa momentos antes de sugerir novas eleições.

"Um dia eu contarei exatamente tudo o que aconteceu. Não quero entrar em detalhes agora por causa das investigações que ainda estão sendo conduzidas pelas autoridades dos Estados Unidos e da Suíça. Não quero atrapalhar este trabalho. Vou manter isso para mim e me sinto bem a esse respeito", declarou Blatter. "Só falarei a respeito quando eu deixar a presidência da Fifa", prometeu.

As novas eleições da Fifa serão realizadas no dia 26 de fevereiro de 2016. Platini desponta como o grande favorito ao angariar apoio em diferentes confederações. Até a Conmebol já declarou voto no francês, mesmo contando com um candidato entre os seus filiados. O brasileiro Zico conta com o suporte da CBF para entrar no pleito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.