Blatter ignora ameaças dos opositores

Vítima de uma campanha que busca atacar sua "reputação" e "integridade". É assim que Joseph Blatter, presidente da Fifa, classifica o anúncio de que 11 dos 24 membros do Comitê Executivo da entidade iriam entrar com um processo judicial acusando o suíço de corrupção. "Trata-se de uma atitude decepcionante, mas não me surpreende", afirmou Blatter. "Uma ameaça como essa não me pertuba", garante.Há várias semanas, os opositores de Blatter têm indicado uma série de irregularidades na administração do atual presidente, que está no cargo desde 1998. Segundo Blatter, que concorre à reeleição como presidente da Fifa no final do mês, o anúncio de que seus opositores poderiam ir à Justiça suíça serve apenas de propaganda contra sua candidatura.Na avaliação do atual chefe do futebol mundial, um processo jurídico somente poderia ocorrer depois que houvesse um julgamento preliminar dentro da própria Fifa. O suíço ainda acusa seu secretário-geral, Michael Zen-Ruffinen, de não colocar à sua disposição os documentos necessários para que Blatter possa se defender das acusações. Zen-Ruffinen, de outro lado, acusa Blatter de administrar a Fifa "como uma ditadura". "Ao invés de fazer campanha pelo seu candidato, meus opositores estão priorizando os ataques à mim", disse Blatter, que garante que seus aliados, não teriam se deixado influenciar por essa iniciativa.O único concorrente de Blatter será o africano Issa Hayatou, que promete uma gestão "limpa e transparente" à frente da Fifa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.